O Violino Segundo meus Princípios

Ref: 978-85-5507-934-4

Auer descende de uma linhagem de violinistas que passa por Corelli, Somis, Pugnani, Viotti, Rode/Spör, Böhm, Joachim/Helmsberger e Dont, um amálgama de escolas violinísticas – italiana, francesa, alemã – que serviu para moldar seu talento incontestável como professor que não se prendia rigidamente à tradição vigente do “faça exatamente como eu faço”; talvez um dos primeiros a respeitar e compreender as especificidades físicas e psicológicas de cada aluno. Nas palavras de Heifetz:“...ele foi um professor incomparável; não acredito que haja no mundo alguém que se compare a ele. Não me pergunte como ele faz, pois não saberia responder. Mas ele é diferente com cada aluno – talvez essa seja a razão da sua grandeza como professor.” (F. H. MARTENS, Violin Mastery: Talks with Master Violinists and Teachers…, entrevista com Heifetz, p. 50).


Calcule o frete

Opções de entrega:

Versão impressa
R$ 56,00
ADICIONAR 
AO carrinho

ISBN: 978-85-5507-934-4


Edição:


Ano da edição: 2019


Data de publicação: 27/05/2019


Número de páginas: 148


Encadernação: Brochura


Peso: 100 gramas


Largura: 14 cm


Comprimento: 21 cm


Altura: 2 cm


1. Robert Suetholz .

2. Luiz Amato.

Auer descende de uma linhagem de violinistas que passa por Corelli, Somis, Pugnani, Viotti, Rode/Spör, Böhm, Joachim/Helmsberger e Dont, um amálgama de escolas violinísticas – italiana, francesa, alemã – que serviu para moldar seu talento incontestável como professor que não se prendia rigidamente à tradição vigente do “faça exatamente como eu faço”; talvez um dos primeiros a respeitar e compreender as especificidades físicas e psicológicas de cada aluno. Nas palavras de Heifetz:
“...ele foi um professor incomparável; não acredito que haja no mundo alguém que se compare a ele. Não me pergunte como ele faz, pois não saberia responder. Mas ele é diferente com cada aluno – talvez essa seja a razão da sua grandeza como professor.” (F. H. MARTENS, Violin Mastery: Talks with Master Violinists and Teachers…, entrevista com Heifetz, p. 50).
Auer foi sem dúvida um esplêndido mestre, talvez o melhor, como aponta o próprio Heifetz e, por certo, essa não é uma opinião qualquer. Mas, pelo conjunto da obra, isto é, o professor e os seus célebres pupilos, a questão está selada. Este livro é essencial na biblioteca de qualquer instrumentista, juntamente com a literatura produzida pelos seus quase contemporâneos estelares Carl Flesch e Ivan Galamian.