Ditadura no Brasil e Censura nas Canções de Rita Lee

Ref: 978-85-473-3033-0

Rita Lee foi a compositora mais censurada do Brasil, e essa perseguição estendeu-se do período do estabelecimento da Ditadura Militar – 1964 – no de seu fortalecimento com a promulgação do Ato Institucional número 5, em 1968, e continuou mesmo depois da redemocratização do país, em 1985. Teve inúmeras letras proibidas, em função de, principalmente, “atentarem contra a moral e os bons costumes”. A repressão à sua arte evidencia o fato de comportamentos e posturas libertárias serem sempre ameaçadores, independentemente dos contextos políticos nos quais se insiram, ainda mais se oriundos da escrita feminina, interditada há muitos séculos em sociedades machistas.


Calcule o frete

Opções de entrega:

Versão impressa
R$ 47,00
ADICIONAR 
AO carrinho

Versão digital
R$ 16,00

Nossos eBooks estão no formato ePub, o mais aceito nos variados aparelhos nos quais se podem ler livros digitais: eReaders, Smartphones, iPads, iPhones e PCs (este último por meio do Adobe Digital Editions). Os livros podem ser comprados via download nas seguintes livrarias online:

- Amazon (formato Mobi disponível para Kindle)

- Google Play Livros

- Apple Books

- Cultura/Kobo

ISBN: 978-85-473-3033-0


ISBN Digital: 978-65-5523-759-7


Edição:


Ano da edição: 2019


Data de publicação: 28/05/2019


Número de páginas: 115


Encadernação: Brochura


Peso: 300 gramas


Largura: 14.8 cm


Comprimento: 21 cm


Altura: 2 cm


1. Norma Lima.

Rita Lee foi a compositora mais censurada do Brasil, e essa perseguição estendeu-se do período do estabelecimento da Ditadura Militar – 1964 – no de seu fortalecimento com a promulgação do Ato Institucional número 5, em 1968, e continuou mesmo depois da redemocratização do país, em 1985. Teve inúmeras letras proibidas, em função de, principalmente, “atentarem contra a moral e os bons costumes”. A repressão à sua arte evidencia o fato de comportamentos e posturas libertárias serem sempre ameaçadores, independentemente dos contextos políticos nos quais se insiram, ainda mais se oriundos da escrita feminina, interditada há muitos séculos em sociedades machistas.