Pedagogia da Rebeldia e o Enleituramento

Ref: 978-85-473-2985-3

A Pedagogia da Rebeldia é norteada por relações estabelecidas nas salas de aula, guiadas pelo objetivo maior desse espaço, qual seja, a formação cidadã, privilegiando a produção de leitura como vetor do alcance de tal objetivo. Não vou entrar na etimologia da palavra, nem buscar o que o dicionário, a instituição do dizer, determina como interpretação para rebeldia. Quem está na escola, quem já esteve, quem lida com crianças, adolescentes e jovens e adultos em busca de uma aprendizagem que, por vários motivos, não aconteceu na infância ou adolescência, quem já foi criança e adolescente, sabe bem o significado dessa palavra. O que peço é que lancem a essa terminologia um olhar crítico. E, olhar criticamente, diferente do que ficou banalizado na sabedoria popular, é buscar outros ângulos de visão sobre o mesmo objeto.


Calcule o frete

Opções de entrega:

Versão impressa
R$ 50,00
ADICIONAR 
AO carrinho

ISBN: 978-85-473-2985-3


Edição:


Ano da edição: 2019


Data de publicação: 21/05/2019


Número de páginas: 197


Encadernação: Brochura


Peso: 100 gramas


Largura: 16 cm


Comprimento: 23 cm


Altura: 2 cm


1. Rosemary Lapa de Oliveira.

A Pedagogia da Rebeldia é norteada por relações estabelecidas nas salas de aula, guiadas pelo objetivo maior desse espaço, qual seja, a formação cidadã, privilegiando a produção de leitura como vetor do alcance de tal objetivo.
Não vou entrar na etimologia da palavra, nem buscar o que o dicionário, a instituição do dizer, determina como interpretação para rebeldia. Quem está na escola, quem já esteve, quem lida com crianças, adolescentes e jovens e adultos em busca de uma aprendizagem que, por vários motivos, não aconteceu na infância ou adolescência, quem já foi criança e adolescente, sabe bem o significado dessa palavra. O que peço é que lancem a essa terminologia um olhar crítico. E, olhar criticamente, diferente do que ficou banalizado na sabedoria popular, é buscar outros ângulos de visão sobre o mesmo objeto.
Venho defender a rebeldia inerente à condição humana, vinda de nossa fulcral insatisfação sobre tudo, uma vez que sempre encontramos tudo sempre pronto quando nos engajamos a uma dada comunidade humana e, na verdade, queremos ver impressas nesse cenário as nossas próprias ideias, desejos, gostos. Sendo assim, buscamos deixar as nossas contribuições, tratando o que já encontramos com rebeldia, ou seja, buscando as nossas singularidades da forma mais autoral possível, mesmo que lutemos para nos manter pertencentes a um grupo. Sendo assim, tal rebeldia não pode ser pensada em termos de comportamentos não desejados ou esperados. Precisa ser pensada em termos filosóficos e psicossociais, no sentido de construir condutas de estar no mundo, de ser com o mundo, com o outro, com o ecológico. Ser rebelde é explorar profundamente a experiência humana de ser fantasticamente diferente, único, única e maravilhosamente igual a todos os outros membros da espécie homo sapiens.
Nas reflexões aqui trazidas, são apresentadas ações de produção de leitura que visam ao enleituramento dos sujeitos leitores, considerando esse viés da rebeldia. Assim, a rebeldia é tomada como um modo de lidar com o processo dialógico do sujeito autor com o sujeito leitor, no sentido de ampliação de conhecimento de mundo dos sujeitos da aprendizagem: docentes e discentes.