Nem Tudo Era Censura: Imprensa, Ceará e Ditadura Militar

Ref: 978-85-5507-919-1

A ditadura militar instaurada no Brasil a partir do golpe de 1964 contou com expressivo apoio de segmentos da sociedade brasileira, entre os quais, destaque-se a participação da imprensa, tema já estudado há tempos por diversos historiadores. Muito já se sabe sobre a atuação de jornais do Sudeste, notadamente nos estados de São Paulo e Rio de Janeiro. Contudo, tais experiências, ainda que significativas e de protagonismo inegável, não são suficientes para explicar o papel da imprensa no golpe e na ditadura. O que se tem a dizer, então, sobre outros estados brasileiros? Buscando responder a essa pergunta, este livro analisa duas experiências significativas no Ceará através dos jornais Correio da Semana e O Povo, veículos de destaque naquele período, na capital e no interior. Com isso, questiona certas visões de algum modo generalizantes a respeito da imprensa e busca mostrar que nem tudo se resumiu a censura e nem todos os jornais se engajaram, posteriormente, nas lutas pelo restabelecimento da democracia no Brasil, notadamente no contexto das campanhas por eleições diretas para presidente da República. Contemplar essas experiências no Ceará ajuda a lançar luz sobre um recorte do período ditatorial que ainda não é do conhecimento dos cearenses, tampouco dos demais brasileiros. As questões que este livro busca responder ajudam a entender o alcance dos apoios à ditadura e as estratégias e os agentes envolvidos na construção de consenso e legitimação em torno do projeto de poder imposto pelos militares após o golpe. Ainda que vítima da censura, a atuação da imprensa no período não pode se resumir a isso, tampouco deve ser explicada apenas a partir de experiências localizadas. Compreender o que ocorreu no Ceará evidencia a complexidade de um período que é central para o conhecimento da história recente do país, algo para o qual este livro muito tem a contribuir.


Calcule o frete

Opções de entrega:

Versão impressa
R$ 76,00
ADICIONAR 
AO carrinho

ISBN: 978-85-5507-919-1


Edição:


Ano da edição: 2019


Data de publicação: 28/06/2019


Número de páginas: 338


Encadernação: Brochura


Peso: 100 gramas


Largura: 14 cm


Comprimento: 21 cm


Altura: 2 cm


1. João Batista Teófilo Silva.

A ditadura militar instaurada no Brasil a partir do golpe de 1964 contou com expressivo apoio de segmentos da sociedade brasileira, entre os quais, destaque-se a participação da imprensa, tema já estudado há tempos por diversos historiadores. Muito já se sabe sobre a atuação de jornais do Sudeste, notadamente nos estados de São Paulo e Rio de Janeiro. Contudo, tais experiências, ainda que significativas e de protagonismo inegável, não são suficientes para explicar o papel da imprensa no golpe e na ditadura. O que se tem a dizer, então, sobre outros estados brasileiros? Buscando responder a essa pergunta, este livro analisa duas experiências significativas no Ceará através dos jornais Correio da Semana e O Povo, veículos de destaque naquele período, na capital e no interior. Com isso, questiona certas visões de algum modo generalizantes a respeito da imprensa e busca mostrar que nem tudo se resumiu a censura e nem todos os jornais se engajaram, posteriormente, nas lutas pelo restabelecimento da democracia no Brasil, notadamente no contexto das campanhas por eleições diretas para presidente da República. Contemplar essas experiências no Ceará ajuda a lançar luz sobre um recorte do período ditatorial que ainda não é do conhecimento dos cearenses, tampouco dos demais brasileiros. As questões que este livro busca responder ajudam a entender o alcance dos apoios à ditadura e as estratégias e os agentes envolvidos na construção de consenso e legitimação em torno do projeto de poder imposto pelos militares após o golpe. Ainda que vítima da censura, a atuação da imprensa no período não pode se resumir a isso, tampouco deve ser explicada apenas a partir de experiências localizadas. Compreender o que ocorreu no Ceará evidencia a complexidade de um período que é central para o conhecimento da história recente do país, algo para o qual este livro muito tem a contribuir.