Teatro e Memória: Transformação Política no Teatro do Oprimido

Ref: 978-85-5507-954-2

Este trabalho pretende enaltecer a presença da memória como aspecto fundamental para a emancipação que decorre da prática do Teatro do Oprimido. Embora não muito mencionada na obra teórica de Augusto Boal, a memória figura como um elemento importante capaz de nos fazer compreender a capacidade de reconfiguração dos hábitos através das percepções obtidas pelo Teatro do Oprimido. Para responder ao desafio de situar a memória como aspecto central para a transformação política, elencamos alguns autores capazes de promover este diálogo. Jacques Rancière contribui com os conceitos de política, polícia e partilha do sensível, que nos fornecem o recorte necessário à interpretação do hábito e daquilo que o teatro, neste caso, visa transformar. Walter Benjamin nos acena a primeira possibilidade de contemplar a transformação através de seus ensaios sobre a educação, mais notadamente sobre a criança e o brinquedo. Por fim, Stanislawski nos fornece o conceito de memória ativa. Assim, tentamos mostrar como Boal politiza o teatro de Stanislawski para compreender dentro das ferramentas teatrais a possibilidade da mudança política inaugurando novas formas de partilha em sociedade.


Calcule o frete

Opções de entrega:

Versão impressa
R$ 56,00
ADICIONAR 
AO carrinho

ISBN: 978-85-5507-954-2


Edição:


Ano da edição: 2019


Data de publicação: 06/04/2019


Número de páginas: 153


Encadernação: Brochura


Peso: 100 gramas


Largura: 14.8 cm


Comprimento: 21 cm


Altura: 2 cm


1. Pedro Augusto Boal Costa Gomes.

Este trabalho pretende enaltecer a presença da memória como aspecto fundamental para a emancipação que decorre da prática do Teatro do Oprimido. Embora não muito mencionada na obra teórica de Augusto Boal, a memória figura como um elemento importante capaz de nos fazer compreender a capacidade de reconfiguração dos hábitos através das percepções obtidas pelo Teatro do Oprimido. Para responder ao desafio de situar a memória como aspecto central para a transformação política, elencamos alguns autores capazes de promover este diálogo. Jacques Rancière contribui com os conceitos de política, polícia e partilha do sensível, que nos fornecem o recorte necessário à interpretação do hábito e daquilo que o teatro, neste caso, visa transformar. Walter Benjamin nos acena a primeira possibilidade de contemplar a transformação através de seus ensaios sobre a educação, mais notadamente sobre a criança e o brinquedo. Por fim, Stanislawski nos fornece o conceito de memória ativa. Assim, tentamos mostrar como Boal politiza o teatro de Stanislawski para compreender dentro das ferramentas teatrais a possibilidade da mudança política inaugurando novas formas de partilha em sociedade.