Pobreza e Identidades Humilhadas: A Construção Social do Crack e de Seus Usuários no Brasil

Ref: 978-85-473-3336-2

Este livro tem como objetivo analisar as representações sociais que inserem e situam o crack como objeto de preocupação pública no Brasil e como essas representações produzem sistemas normativos que se articulam na construção social do crack e de seus usuários. A proposta é investigar o consumo de crack a partir dos marcadores da pobreza e da desigualdade, sob uma perspectiva psicossocial. Compreende-se o crack, assim, em seu uso social, em sua inserção no cotidiano das pessoas e no modo como se relaciona enquanto instrumento de interação. Por isso, trata-se de um estudo que enfatiza os sujeitos que consomem o crack em suas relações corriqueiras, nas atividades de conformação do cotidiano. Não se direciona, portanto, ao estudo das patologias e problemas decorrentes dessa prática, mas das experiências de seu uso.


Calcule o frete

Opções de entrega:

Versão impressa
R$ 56,00
ADICIONAR 
AO carrinho

ISBN: 978-85-473-3336-2


Edição:


Ano da edição: 2019


Data de publicação: 10/07/2019


Número de páginas: 138


Encadernação: Brochura


Peso: 100 gramas


Largura: 14 cm


Comprimento: 21 cm


Altura: 2 cm


1. Manoel de Lima Acioli Neto.

Este livro tem como objetivo analisar as representações sociais que inserem e situam o crack como objeto de preocupação pública no Brasil e como essas representações produzem sistemas normativos que se articulam na construção social do crack e de seus usuários. A proposta é investigar o consumo de crack a partir dos marcadores da pobreza e da desigualdade, sob uma perspectiva psicossocial. Compreende-se o crack, assim, em seu uso social, em sua inserção no cotidiano das pessoas e no modo como se relaciona enquanto instrumento de interação. Por isso, trata-se de um estudo que enfatiza os sujeitos que consomem o crack em suas relações corriqueiras, nas atividades de conformação do cotidiano. Não se direciona, portanto, ao estudo das patologias e problemas decorrentes dessa prática, mas das experiências de seu uso.