Colombo: História e Memória de uma Fábrica de Louças

Ref: 978-85-473-3286-0

Colombo: história e memória de uma fábrica de louças é uma pesquisa acerca da fábrica de louças Colombo, um estabelecimento que operou na região metropolitana de Curitiba entre 1897 e 1925. Apesar de pouco conhecida pelo público geral, é tida como a primeira fábrica de cerâmica branca no país e foi um empreendimento que aliou a iniciativa de um imigrante italiano ao capital de um próspero ervateiro paranaense, em tempos de consolidação do Brasil republicano. Este livro busca focalizar a cultura material deixada pela fábrica para compreender a formação e a afirmação de identidades dos sujeitos envolvidos direta ou indiretamente com o estabelecimento. Para tanto, são abordadas as construções históricas e as memórias que cercam a fábrica Colombo, refletindo sobre as conjunturas que manejaram informações e objetos a fim de constituir tais identidades.


Calcule o frete

Opções de entrega:

Versão impressa
R$ 58,00
ADICIONAR 
AO carrinho

ISBN: 978-85-473-3286-0


Edição:


Ano da edição: 2019


Data de publicação: 31/07/2019


Número de páginas: 185


Encadernação: Brochura


Peso: 100 gramas


Largura: 14 cm


Comprimento: 21 cm


Altura: 2 cm


1. Martha Helena Loeblein Becker Morales.

Colombo: história e memória de uma fábrica de louças é uma pesquisa acerca da fábrica de louças Colombo, um estabelecimento que operou na região metropolitana de Curitiba entre 1897 e 1925. Apesar de pouco conhecida pelo público geral, é tida como a primeira fábrica de cerâmica branca no país e foi um empreendimento que aliou a iniciativa de um imigrante italiano ao capital de um próspero ervateiro paranaense, em tempos de consolidação do Brasil republicano. Este livro busca focalizar a cultura material deixada pela fábrica para compreender a formação e a afirmação de identidades dos sujeitos envolvidos direta ou indiretamente com o estabelecimento. Para tanto, são abordadas as construções históricas e as memórias que cercam a fábrica Colombo, refletindo sobre as conjunturas que manejaram informações e objetos a fim de constituir tais identidades.