Escolarização e Resistências entre Pomeranos Camponeses

Ref: 978-85-473-2700-2

A pesquisa compreende um estudo de caso etnográfico numa perspectiva sócio-histórico-crítica e teve como sujeitos o grupo étnico de descendentes pomeranos residentes na zona rural da região centro-serrana do estado do Espírito Santo. Sua cultura, seu modo de vida e suas representações sobre a escolarização foram objeto de aprofundamento.Ousar discutir sobre a resistência à escolarização é no mínimo estranho, tendo em vista que a escolarização básica é obrigatória por lei, além de ser indiscutível sua importância para a sociedade pós-moderna. No entanto é no confronto com a temática e o contexto que compreenderemos o motivo da resistência à escolarização nos anos finais do ensino fundamental desse grupo étnico.A influência da Igreja luterana assume papel determinante na discussão sobre a importância da escolarização, de modo que busquei subsídios em Martinho Lutero que venham justificar o envolvimento direto dessa na questão da escolaridade de seus membros.Falar em escolarização a partir de representações de diversos segmentos em torno de uma escola unidocente e sua comunidade campesina requer também discutir sobre a diversidade étnica e cultural e suas implicações. Perceber como as tramas sociais e culturais de descendentes pomeranos camponeses são vividas e refletidas, ou não, no contexto escolar auxilia na compreensão de como a sociedade e a educação são interdependentes e podem relacionar-se de modo dialético ou de forma hegemônica.


Calcule o frete

Opções de entrega:

Versão impressa
R$ 72,00
ADICIONAR 
AO carrinho

ISBN: 978-85-473-2700-2


Edição:


Ano da edição: 2019


Data de publicação: 06/08/2019


Número de páginas: 239


Encadernação: Brochura


Peso: 100 gramas


Largura: 16 cm


Comprimento: 23 cm


Altura: 2 cm


1. Gerlinde Merklein Weber.

A pesquisa compreende um estudo de caso etnográfico numa perspectiva sócio-histórico-crítica e teve como sujeitos o grupo étnico de descendentes pomeranos residentes na zona rural da região centro-serrana do estado do Espírito Santo. Sua cultura, seu modo de vida e suas representações sobre a escolarização foram objeto de aprofundamento.
Ousar discutir sobre a resistência à escolarização é no mínimo estranho, tendo em vista que a escolarização básica é obrigatória por lei, além de ser indiscutível sua importância para a sociedade pós-moderna. No entanto é no confronto com a temática e o contexto que compreenderemos o motivo da resistência à escolarização nos anos finais do ensino fundamental desse grupo étnico.
A influência da Igreja luterana assume papel determinante na discussão sobre a importância da escolarização, de modo que busquei subsídios em Martinho Lutero que venham justificar o envolvimento direto dessa na questão da escolaridade de seus membros.
Falar em escolarização a partir de representações de diversos segmentos em torno de uma escola unidocente e sua comunidade campesina requer também discutir sobre a diversidade étnica e cultural e suas implicações. Perceber como as tramas sociais e culturais de descendentes pomeranos camponeses são vividas e refletidas, ou não, no contexto escolar auxilia na compreensão de como a sociedade e a educação são interdependentes e podem relacionar-se de modo dialético ou de forma hegemônica.