Arapiuns+5: O Ordenamento Territorial Incompleto

Ref: 978-85-473-3001-9

ARAPIUNS+5: O ORDENAMENTO TERRITORIAL INCOMPLETO aborda as relações entre sistemas sociais comunitários e uso de recursos naturais pelas comunidades ribeirinhas localizadas em um vasto território da fronteira aberta ao longo do rio Arapiuns, no oeste do estado do Pará. A coletânea analisa as continuidades e/ou as mudanças (2008/2014) demográficas, sociais, culturais, econômicas e ambientais no território das comunidades ribeirinhas (agrárias e extrativistas) da bacia do rio Arapiuns, em decorrência dos padrões de uso dos recursos naturais. Trata-se de um território densamente florestal, cuja presença de vilas e povoados continentais e ribeirinhos, de moradores nativos, vem sofrendo fortes perturbações com a presença de empreendimentos de alta densidade de capital, como os de mineração e de exploração madeireira. Apresenta reflexões, proposições e recomendações para a sustentabilidade das políticas públicas orientadas para o território do estudo.


Calcule o frete

Opções de entrega:

Versão impressa
R$ 62,00
ADICIONAR 
AO carrinho

ISBN: 978-85-473-3001-9


Edição:


Ano da edição: 2019


Data de publicação: 16/08/2019


Número de páginas: 235


Encadernação: Brochura


Peso: 100 gramas


Largura: 16 cm


Comprimento: 23 cm


Altura: 2 cm


1. Luiz Cláudio Moreira Melo Júnior.

2. Silvio Roberto Miranda dos Santos.

3. Alanna do Socorro Lima da Silva.

ARAPIUNS+5: O ORDENAMENTO TERRITORIAL INCOMPLETO aborda as relações entre sistemas sociais comunitários e uso de recursos naturais pelas comunidades ribeirinhas localizadas em um vasto território da fronteira aberta ao longo do rio Arapiuns, no oeste do estado do Pará. A coletânea analisa as continuidades e/ou as mudanças (2008/2014) demográficas, sociais, culturais, econômicas e ambientais no território das comunidades ribeirinhas (agrárias e extrativistas) da bacia do rio Arapiuns, em decorrência dos padrões de uso dos recursos naturais. Trata-se de um território densamente florestal, cuja presença de vilas e povoados continentais e ribeirinhos, de moradores nativos, vem sofrendo fortes perturbações com a presença de empreendimentos de alta densidade de capital, como os de mineração e de exploração madeireira. Apresenta reflexões, proposições e recomendações para a sustentabilidade das políticas públicas orientadas para o território do estudo.