A(na)rqueologias das Mídias

Ref: 978-85-473-0710-3

Um libelo a(na)rqueológico contra a redução dos estudos de comunicação ao empirismo se faz sentir em cada um dos textos apresentados no livro A(na)rqueologias das Mídias, organizado por Jamer Guterres de Mello e Marcelo Bergamin Conter.


Calcule o frete

Opções de entrega:

Versão impressa
R$ 68,00
ADICIONAR 
AO carrinho

Versão digital
R$ 31,00
ADICIONAR 
AO carrinho

ISBN: 978-85-473-0710-3


ISBN Digital: 978-85-473-2074-4


Edição: 1


Ano da edição: 2017


Data de publicação: 00/00/0000


Número de páginas: 311


Peso: 200 gramas


Largura: 16 cm


Comprimento: 23 cm


Altura: 2 cm


1. Marcelo Bergamin Conter.

Doutor e mestre em Comunicação e Informação pela UFRGS, com estágio de doutorado sanduíche pela Columbia University, Nova Iorque, e pós-doutorado em Ciências da Comunicação pela Universidade do Vale do Rio dos Sinos. Autor dos livros Imagem-música em vídeos para web (Editora Kazuá, 2012) e LO-FI - Música pop em baixa definição (Editora Appris, 2016). Professor do Instituto Federal do Rio Grande do Sul.

2. Jamer Guterres de Mello.

Doutor em Comunicação e Informação e mestre em Educação pela Universidade Federal do Rio Grande do Sul (UFRGS), com estágio de doutorado sanduíche pela Universitat Autònoma de Barcelona. Possui experiência em docência e pesquisa em Comunicação Audiovisual. Pesquisador de pós-doutorado no Programa de Pós-Graduação em Comunicação da Universidade Anhembi Morumbi, onde desenvolve
pesquisa sobre as videoinstalações do artista e cineasta alemão Harun Farocki.

Um libelo a(na)rqueológico contra a redução dos estudos de comunicação ao empirismo se faz sentir em cada um dos textos apresentados no livro A(na)rqueologias das Mídias, organizado por Jamer Guterres de Mello e Marcelo Bergamin Conter. Ainda que os textos partam de objetos facilmente reconhecíveis – uma música, um filme, um vídeo, uma imagem, um som, a medialidade da literatura e de outras artes –, os autores e as autoras tomam essas materialidades como ponto de partida para escavar, desmontar, desconstruir, rearranjar, recompor. Curiosamente operações que, ao final do livro, parecem caracterizar um modo específico de compreender a comunicação, na sincronicidade de tempos e na diversidade de espaços.

 

Alexandre Rocha da Silva

Professor do Programa de Pós-Graduação em Comunicação e Informação da Universidade Federal do Rio Grande do Sul