Uns Contos Iguais a Muitos: Estórias Africanas, Relações de Trabalho e Estrutura Narrativa no Contexto Colonial Angolano e Moçambicano (Décadas de 1950/60)

Ref: 978-85-473-3254-9

A partir da leitura de estórias escritas por João Dias, José Craveirinha, Luís Bernardo Honwana, Costa Andrade, Antonio Cardoso, Luandino Vieira, Arnaldo Santos e Jofre Rocha nas décadas de 50 e 60 no contexto colonial angolano e moçambicano, o livro Uns contos iguais a muitos analisa as estratégias narrativas utilizadas para formalizar a violência das relações de trabalho impostas pelo colonialismo. No estudo dessas narrativas engajadas, Luiz Fernando de França focaliza e sistematiza as estruturas convergentes que denunciam a exploração do(a) trabalhador(a). Além disso, diante da “vida rastejante” e dos “caminhos fechados”, da imobilidade e do racismo, o autor revela como as estórias africanas também estruturam um processo de resistência no qual os(as) trabalhadores(as) enfrentam seus agressores e promovem a contraviolência do colonizado.


Calcule o frete

Opções de entrega:

Versão impressa
R$ 68,00
ADICIONAR 
AO carrinho

ISBN: 978-85-473-3254-9


Edição:


Ano da edição: 2019


Data de publicação: 19/08/2019


Número de páginas: 403


Encadernação: Brochura


Peso: 100 gramas


Largura: 16 cm


Comprimento: 23 cm


Altura: 2 cm


1. Luiz Fernando de França.

A partir da leitura de estórias escritas por João Dias, José Craveirinha, Luís Bernardo Honwana, Costa Andrade, Antonio Cardoso, Luandino Vieira, Arnaldo Santos e Jofre Rocha nas décadas de 50 e 60 no contexto colonial angolano e moçambicano, o livro Uns contos iguais a muitos analisa as estratégias narrativas utilizadas para formalizar a violência das relações de trabalho impostas pelo colonialismo. No estudo dessas narrativas engajadas, Luiz Fernando de França focaliza e sistematiza as estruturas convergentes que denunciam a exploração do(a) trabalhador(a). Além disso, diante da “vida rastejante” e dos “caminhos fechados”, da imobilidade e do racismo, o autor revela como as estórias africanas também estruturam um processo de resistência no qual os(as) trabalhadores(as) enfrentam seus agressores e promovem a contraviolência do colonizado.

Assim, como bem observa Tania Macedo, trata-se de uma obra de “leitura obrigatória não apenas para o público universitário que encontrará no livro uma reflexão e um guia para a produção literária da África de língua portuguesa, como também para o círculo mais amplo de leitores que desejam tomar conhecimento do colonialismo e da resistência a ele impetrada pela literatura e saber a respeito dos principais autores e textos de Angola e Moçambique".