Biopolítica e Formação: Vida, Potência e Profanação na Educação

Ref: 978-85-473-3522-9

Biopolítica e formação: vida, potência e profanação na educação é um livro de Filosofia da Educação e procura situar-se na interface entre essas duas áreas de conhecimento. Ao questionar concepções e supostos de caráter abrangente, propõe pensar a educação como um conceito filosófico por excelência. Para tanto, põe em questão um dos pilares que sustentam o imaginário da educação e da política no Brasil: a ideia, vaga e difusa, de que o sistema escolar deve produzir cidadãos. Ainda faz sentido pensar que a grande política (palavra originada do grego pólis, cidade), a da representação e do espetáculo, pode gerar destino histórico para um povo? É na intenção de responder a essa questão que o conceito de biopolítica é oferecido como gabarito de inteligibilidade para a compreensão do fenômeno político no presente.


Calcule o frete

Opções de entrega:

Versão impressa
R$ 49,00
ADICIONAR 
AO carrinho

ISBN: 978-85-473-3522-9


Edição:


Ano da edição: 2019


Data de publicação: 27/08/2019


Número de páginas: 191


Encadernação: Brochura


Peso: 100 gramas


Largura: 16 cm


Comprimento: 23 cm


Altura: 2 cm


1. Mauricio Azevedo.

Biopolítica e formação: vida, potência e profanação na educação é um livro de Filosofia da Educação e procura situar-se na interface entre essas duas áreas de conhecimento. Ao questionar concepções e supostos de caráter abrangente, propõe pensar a educação como um conceito filosófico por excelência. Para tanto, põe em questão um dos pilares que sustentam o imaginário da educação e da política no Brasil: a ideia, vaga e difusa, de que o sistema escolar deve produzir cidadãos. Ainda faz sentido pensar que a grande política (palavra originada do grego pólis, cidade), a da representação e do espetáculo, pode gerar destino histórico para um povo? É na intenção de responder a essa questão que o conceito de biopolítica é oferecido como gabarito de inteligibilidade para a compreensão do fenômeno político no presente. Primeiramente, esse conceito é reconstruído a partir da leitura de Michel Foucault, Roberto Esposito, Michael Hardt e Antonio Negri. Depois, suas tensões específicas e seus desdobramentos são investigados na obra de Giorgio Agamben, que oferece uma interessante perspectiva para pensar modos de viver nos quais a vida não esteja inteiramente capturada nos circuitos do poder. No lugar de apontar para uma solução política sistêmica ou para uma conversão do sistema educacional, o encaminhamento da discussão procura delinear uma ideia de formação profanadora e contra econômica, que conviva e atue simultaneamente com a máquina pedagógica e que seja o lugar lógico para a emergência de outras e novas formas de vida, aos moldes da Filosofia daquilo que vem.