Histórias e Práticas Culturais do Poeta José Costa Leite

Ref: 978-85-473-3244-0

Geovanni Gomes Cabral nos conta que, para criar seus versos e gravuras, José Costa Leite – nascido em 1927 na pequena cidade paraibana de Sapé e residente na igualmente diminuta Condado, em Pernambuco – “vivia caçando” textos, ideias e palavras. Espreitando sons, imagens e gestos em diversos lugares do Nordeste, Costa Leite construiu uma obra viva e pulsante, expressa sobretudo na forma de folhetos, xilogravuras, almanaques e, é claro, performances nas feiras populares. Construiu também a si mesmo, moldou-se em uma autobiografia, deu sentido a sua existência e procurou transmitir lições às novas gerações. Contraditoriamente, teve sua obra consagrada como patrimônio, mas hoje encontra dificuldade para vender livros e gravuras como antes.


Calcule o frete

Opções de entrega:

Versão impressa
R$ 96,00
ADICIONAR 
AO carrinho

Versão digital
R$ 34,00

Nossos eBooks estão no formato ePub, o mais aceito nos variados aparelhos nos quais se podem ler livros digitais: eReaders, Smartphones, iPads, iPhones e PCs (este último por meio do Adobe Digital Editions). Os livros podem ser comprados via download nas seguintes livrarias online:

- Amazon (formato Mobi disponível para Kindle)

- Google Play Livros

- Apple Books

- Cultura/Kobo

ISBN: 978-85-473-3244-0


ISBN Digital: 978-85-473-3245-7


Edição:


Ano da edição: 2019


Data de publicação: 17/09/2019


Número de páginas: 311


Encadernação: Brochura


Peso: 300 gramas


Largura: 16 cm


Comprimento: 23 cm


Altura: 2 cm


1. Geovanni Gomes Cabral.

Geovanni Gomes Cabral nos conta que, para criar seus versos e gravuras, José Costa Leite – nascido em 1927 na pequena cidade paraibana de Sapé e residente na igualmente diminuta Condado, em Pernambuco – “vivia caçando” textos, ideias e palavras. Espreitando sons, imagens e gestos em diversos lugares do Nordeste, Costa Leite construiu uma obra viva e pulsante, expressa sobretudo na forma de folhetos, xilogravuras, almanaques e, é claro, performances nas feiras populares. Construiu também a si mesmo, moldou-se em uma autobiografia, deu sentido a sua existência e procurou transmitir lições às novas gerações. Contraditoriamente, teve sua obra consagrada como patrimônio, mas hoje encontra dificuldade para vender livros e gravuras como antes.
Geovanni também é um caçador. Munido de sofisticadas “armas” teóricas e metodológicas, ele foi buscar Costa Leite em diversos arquivos, nos quais encontrou fontes tão variadas como álbuns, livros, fotografias, discos, orações avulsas, almanaques sertanejos, matrizes xilográficas, reportagens de jornal, cartas, manuscritos, diários e a já referida autobiografia. Também realizou entrevistas com o artista e com pessoas próximas a ele. Com todos esses materiais, construiu uma narrativa ao mesmo tempo respeitosa e crítica a respeito de sua “caça”. Porém, ao contrário dos caçadores, que matam, devoram e empalham as suas presas, Geovanni optou por emprestar-lhes ainda mais vida, conferindo complexidade à trajetória de Costa Leite ao inseri-la em um contexto histórico amplo e multifacetado, sem deixar de perceber a sua marca pessoal. O resultado é este belo livro, que muito nos ensina sobre a história do Brasil contemporâneo.