História da Eugenia e da Medicina no Paraná : João Candido Ferreira e um Receituário para a Nação

Ref: 978-85-473-3643-1

Por que excluíram a eugenia das biografias paranaenses? História da Eugenia e da Medicina no Paraná é livro significativo para quem quiser compreender a ciência eugênica em suas apropriações médicas no Paraná do início do século XX.Trabalhando o conceito de sociografia médica, o autor visa compreender a escrita social e médica produzida por João Candido Ferreira em seus diversos contextos de vivência científica. Proveniente da geração de 1870, o intelectual se preocupou com a degeneração humana, e transitando da margem ao centro do campo científico, encontrou no uso da eugenia um instrumento de regeneração humana para a nação. A partir da trajetória do médico paranaense, o autor vislumbra neste livro os paradoxos intelectuais em assuntos relativos às práticas e expectativas de saúde pública, sociedade, migração e imigração, hereditariedade, esterilização, questão de saúde racial e projeção da nação.


Calcule o frete

Opções de entrega:

Versão impressa
R$ 72,00 R$ 43,20 40% off
ADICIONAR 
AO carrinho

ISBN: 978-85-473-3643-1


Edição:


Ano da edição: 2019


Data de publicação: 00/00/0000


Número de páginas: 284


Encadernação: Brochura


Peso: 100 gramas


Largura: 14 cm


Comprimento: 21 cm


Altura: 2 cm


1. Gerson Pietta.

Por que excluíram a eugenia das biografias paranaenses? História da Eugenia e da Medicina no Paraná é livro significativo para quem quiser compreender a ciência eugênica em suas apropriações médicas no Paraná do início do século XX.
Trabalhando o conceito de sociografia médica, o autor visa compreender a escrita social e médica produzida por João Candido Ferreira em seus diversos contextos de vivência científica. Proveniente da geração de 1870, o intelectual se preocupou com a degeneração humana, e transitando da margem ao centro do campo científico, encontrou no uso da eugenia um instrumento de regeneração humana para a nação.
A partir da trajetória do médico paranaense, o autor vislumbra neste livro os paradoxos intelectuais em assuntos relativos às práticas e expectativas de saúde pública, sociedade, migração e imigração, hereditariedade, esterilização, questão de saúde racial e projeção da nação.