Mulheres e Economia Popular Solidária: Trabalho, Inclusão Socioprodutiva e Cidadania

Ref: 978-85-473-3341-6

Nas últimas décadas, a crise do trabalho, assim como o avanço das políticas neoliberais, ocasionou o aumento do desemprego, da informalidade e precarização do trabalho. Como resultado, foi configurada uma política macroeconômica que contribuiu para o aumento da vulnerabilidade social e cujas ações compensatórias de combate às desigualdades sociais não contrabalancearam tais efeitos. Nesse cenário acentuam-se situações de pobreza e exclusão. Somando-se a isso, cresce mais ainda o setor informal, aumentando a dificuldade de sobreviver em um mercado globalizado, excludente e altamente competitivo. Com o agravamento da pobreza e do desemprego, proliferaram iniciativas populares e heterogêneas de organização do trabalho com base na autogestão, na cooperação, no desenvolvimento sustentável e na solidariedade. Empreendimentos econômicos situados no contexto da informalidade urbana capitalista.


Calcule o frete

Opções de entrega:

Versão impressa
R$ 46,00
ADICIONAR 
AO carrinho

Versão digital
R$ 20,00
ADICIONAR 
AO carrinho

ISBN: 978-85-473-3341-6


ISBN Digital: 978-85-473-3342-3


Edição:


Ano da edição: 2019


Data de publicação: 31/10/2019


Número de páginas: 155


Encadernação: Brochura


Peso: 100 gramas


Largura: 14.8 cm


Comprimento: 21 cm


Altura: 2 cm


1. Carlúcia Maria Silva.

Nas últimas décadas, a crise do trabalho, assim como o avanço das políticas neoliberais, ocasionou o aumento do desemprego, da informalidade e precarização do trabalho. Como resultado, foi configurada uma política macroeconômica que contribuiu para o aumento da vulnerabilidade social e cujas ações compensatórias de combate às desigualdades sociais não contrabalancearam tais efeitos. Nesse cenário acentuam-se situações de pobreza e exclusão. Somando-se a isso, cresce mais ainda o setor informal, aumentando a dificuldade de sobreviver em um mercado globalizado, excludente e altamente competitivo. Com o agravamento da pobreza e do desemprego, proliferaram iniciativas populares e heterogêneas de organização do trabalho com base na autogestão, na cooperação, no desenvolvimento sustentável e na solidariedade. Empreendimentos econômicos situados no contexto da informalidade urbana capitalista.

Alimentada por um conjunto de práticas e valores que interagem tanto no plano econômico como nas relações sociais estabelecidas, a Economia Popular Solidária recobre uma realidade heterogênea e diversa de motivações e iniciativas, subsistindo nessas iniciativas uma tensão entre o possível e o desejável. Essas iniciativas enfrentam uma dupla tarefa: superar os limites colocados pela ordem econômica vigente e avançar na construção de novos parâmetros de organização, produção e comercialização. Muitos de seus trabalhadores encontram-se em condições precárias e sem trabalho, compondo a chamada “economia submersa”, na qual mulheres, migrantes, negros, pessoas com deficiência física ou mental, idosos, pessoas com baixos níveis de escolaridade e qualificação profissional refugiam-se na informalidade. O desemprego está na raiz dos problemas sociais e agrava as condições da pobreza.

Este livro analisa, a partir de experiências de Economia Popular Solidária, como as mulheres em situação de pobreza e vulnerabilidade social vivenciam processos de trabalho, inserção socioprodutiva e cidadania, (re)construindo novas formas coletivistas de organização e de produção.