As Contribuições da Escrita na Produção do Saber: Novos Gestos de Ensino

Ref: 978-85-473-4018-6

As contribuições da escrita na produção do saber: novos gestos de ensino nasce de uma aposta. A obra trata de um empenho refletido em preparar as condições e realizar um processo, rico e bonito, que leva os sujeitos a ensaiar gestos de escrita na escola, não como redações escolares, mas sustentados no encontro entre sujeitos e em uma relação com o conhecimento que faça sentido.Diante do impossível que se coloca a nossa volta a cada dia – pelo fechamento programático dos sentidos, e dos ouvidos, pela cegueira fanática das disputas e pelo lixo de coisas que se acumulam obstruindo as vias de produção e acesso ao simbólico – Maraísa aponta, delicadamente, modos inéditos de exercitar uma relação outra com a escrita.


Calcule o frete

Opções de entrega:

Versão impressa
R$ 49,00
ADICIONAR 
AO carrinho

ISBN: 978-85-473-4018-6


Edição:


Ano da edição: 2019


Data de publicação: 03/12/2019


Número de páginas: 137


Encadernação: Brochura


Peso: 100 gramas


Largura: 16 cm


Comprimento: 23 cm


Altura: 2 cm


1. Maraísa Rodrigues da Silva Borba.

As contribuições da escrita na produção do saber: novos gestos de ensino nasce de uma aposta. A obra trata de um empenho refletido em preparar as condições e realizar um processo, rico e bonito, que leva os sujeitos a ensaiar gestos de escrita na escola, não como redações escolares, mas sustentados no encontro entre sujeitos e em uma relação com o conhecimento que faça sentido.
Diante do impossível que se coloca a nossa volta a cada dia – pelo fechamento programático dos sentidos, e dos ouvidos, pela cegueira fanática das disputas e pelo lixo de coisas que se acumulam obstruindo as vias de produção e acesso ao simbólico – Maraísa aponta, delicadamente, modos inéditos de exercitar uma relação outra com a escrita.
A partir da escuta de corredores alegres antecedendo aulas silenciosas, do desconhecimento do outro, da leitura, compartilhamento e discussão de textos especializados com os colegas de trabalho, da observação dos diferentes modos de ler o que se escreve, a autora arrisca gestos de ensino em que a escrita possa fazer sentido para o sujeito. E, ainda, descreve esse processo de modo analítico, como pesquisa acadêmica.
Eu diria que resultam renovados os lugares de fazer e os processos que se podem tornar possíveis nos projetos escolares, como os que a autora dá a conhecer, interessantes para as áreas de Letras, Literatura, Educação e outras que lidem com a escrita e a leitura, mas sobretudo os processos que, a partir desta leitura, possam vir a ser pensados, em outras apostas singulares, a considerar o grau de investimento subjetivo de cada um(a) no trabalho com a linguagem na educação, bem como a disposição e o discernimento para conduzir escolhas e decidir entre as alternativas possíveis, cujos resultados ainda não se conhece. Que nelas não faltem preparação, prazer, apetite pelo saber e pelo risco que se põe em cada aposta assumida.