A Constituição Moderna do Jornalismo no Brasil

Ref: 978-85-473-4281-4

Como apreender o jornalismo sob o prisma da historicidade dos seus fenômenos? Ao buscar caminhos para responder essa indagação, este livro problematiza a maneira normativa pela qual a atividade jornalística e sua história têm sido prioritariamente descritas nos discursos autorreferentes, sobretudo naqueles ligados a ideais modernizadores.


Calcule o frete

Opções de entrega:

Versão impressa
R$ 68,00
ADICIONAR 
AO carrinho

ISBN: 978-85-473-4281-4


Edição:


Ano da edição: 2020


Data de publicação: 14/01/2020


Número de páginas: 303


Encadernação: Brochura


Peso: 100 gramas


Largura: 16 cm


Comprimento: 23 cm


Altura: 2 cm


1. Phellipy Pereira Jácome.

Como apreender o jornalismo sob o prisma da historicidade dos seus fenômenos? Ao buscar caminhos para responder essa indagação, este livro problematiza a maneira normativa pela qual a atividade jornalística e sua história têm sido prioritariamente descritas nos discursos autorreferentes, sobretudo naqueles ligados a ideais modernizadores.
Mesmo diante de uma materialidade complexa, o que se percebe nesses ideais é a adoção de um conceito estreito e totalizador, que fixa “jornalismo” como uma categoria vazia das dimensões temporais. Dita perspectiva, persistente na historiografia sobre os jornais brasileiros, instaura uma narrativa presentista que tende a considerar o passado como um depósito inerte, sem capacidade de nos afetar ou agenciar. Isso fica evidente, por exemplo, no relato da modernização do jornalismo brasileiro nos anos 1950, calcado na ideia de grandes rupturas e revoluções a partir de uma visada linear e teleológica.
Nesse sentido, A constituição moderna do jornalismo no Brasil propõe formas de reabrir esse passado, encarando-o como uma tradição viva. Esse caminho permite analisar criticamente, com uma mirada histórica, o hiato identificado entre a promoção de uma concepção identitária única – relacionada à própria modernização – e a variedade de formas pelas quais os jornais narram e sabem o mundo. Isso com vistas a historicizar uma e outra para compreender como o singular coletivo “jornalismo” e seu conjunto de valores modernos são configurados, promovidos e sustentados ao longo do tempo.