Energia, Tempo, Saúde e Evolução: O Discurso Histórico-Holístico-Espiritualista em Armando Hamud

Ref: 978-85-473-4209-8

Energia, tempo, saúde e evolução apresenta e analisa o discurso científico-holístico -religioso e a concepção histórico-evolutiva, que estão contidos nas obras de Armando Hamud, pautado numa visão holística-espiritual. Busca entender sua trajetória de vida, compreendendo os interdiscursos, o trânsito religioso e os ensinamentos doutrinários-energéticos-espiritualistas-evolutivos que envolvem e perpassam o autor e seus escritos. Visa captar nas obras as concepções, representações e subjetividades em Armando Hamud, desde o final do século XX até o presente


Calcule o frete

Opções de entrega:

Versão impressa
R$ 70,00 R$ 42,00 40% off
ADICIONAR 
AO carrinho

Versão digital
R$ 70,00 R$ 31,00 56% off
ADICIONAR 
AO carrinho

ISBN: 978-85-473-4209-8


ISBN Digital: 978-85-473-4210-4


Edição:


Ano da edição: 2020


Data de publicação: 03/02/2020


Número de páginas: 249


Encadernação: Brochura


Peso: 100 gramas


Largura: 16 cm


Comprimento: 23 cm


Altura: 2 cm


1. Fausto Alencar Irschlinger.

Energia, tempo, saúde e evolução apresenta e analisa o discurso científico-holístico -religioso e a concepção histórico-evolutiva, que estão contidos nas obras de Armando Hamud, pautado numa visão holística-espiritual. Busca entender sua trajetória de vida, compreendendo os interdiscursos, o trânsito religioso e os ensinamentos doutrinários-energéticos-espiritualistas-evolutivos que envolvem e perpassam o autor e seus escritos. Visa captar nas obras as concepções, representações e subjetividades em Armando Hamud, desde o final do século XX até o presente. Discute de que forma sua produção inscreve-se numa história mais ampla, relacionando tempo, evolução, espiritualismo e saúde. Busca evidenciar o sentido ético da narrativa histórica de Hamud, que indica para uma evolução humana, em meio a um sentimento de crise identitária e subjetiva, vivenciada nos tempos que vivemos. Essa “crise no tempo”, analisada sob olhares do “presentismo”, nos mostra que, em Hamud, ela impulsiona o autor em um duplo movimento: lança um horizonte de expectativas para o futuro, ao passo que encontra suas matrizes discursivas no seio da modernidade, sobretudo, nos movimentos espiritualistas e esotéricos do século XIX (reverberados no XX). Esta obra evidencia, ainda, como se desdobra a concepção de sujeito (múltiplos eus) na trajetória – ou na “narrativa de si” – de Armando Hamud (e Leonilda). Destaca, a partir da narrativa de sua trajetória, a importância do seu “despertar espiritual” e como a concepção de sujeito é articulada na própria narrativa de vida. Também foca na formação discursiva e no hibridismo, no desdobramento da ideia de que as bases teóricas e matrizes de Armando Hamud fundamentam o seu regime de historicidade holístico-evolutiva. Assim, observa as matrizes discursivas e seus decorrentes diálogos, apropriações, ressignificações e concepções, a fim de situar os intertextos e interdiscursos que constituem as obras de Hamud (a Teosofia, a Conscienciologia, a Projeciologia, a Espírita kardecista, a Gnose, a Eubiose, a Budista, os ensinamentos de José Trigueirinho Netto, do padre Lauro Trevisan, do poder do “EU SOU”, em Saint Germain, do Centro Espírita Beneficente “União do Vegetal”, entre outros). Além disso, busca inter-relacionar a ideia do seu “despertar espiritual” com sua missão específica da saúde holística (destacando a Apometria Coletiva) como alternativas/soluções aos dilemas da pós-modernidade.