A Fonologia Diacrônica do Proto-Mundurukú (TUPÍ)

Ref: 978-85-473-3768-1

O livro A Fonologia Diacrônica do Proto-Mundurukú (Tupí) busca recuperar a história das línguas Mundurukú e Kuruaya, ambas pertencentes à família Mundurukú, tronco Tupí. Ele reúne uma série de eventos ocorridos nessa pequena família Tupí, desde o Proto-Mundurukú, o período ancestral que deu origem às duas línguas atuais, até o período moderno.


Calcule o frete

Opções de entrega:

Versão impressa
R$ 49,00
ADICIONAR 
AO carrinho

ISBN: 978-85-473-3768-1


Edição:


Ano da edição: 2020


Data de publicação: 14/02/2020


Número de páginas: 159


Encadernação: Brochura


Peso: 100 gramas


Largura: 16 cm


Comprimento: 23 cm


Altura: 2 cm


1. Gessiane Lobato Picanço.

O livro A Fonologia Diacrônica do Proto-Mundurukú (Tupí) busca recuperar a história das línguas Mundurukú e Kuruaya, ambas pertencentes à família Mundurukú, tronco Tupí. Ele reúne uma série de eventos ocorridos nessa pequena família Tupí, desde o Proto-Mundurukú, o período ancestral que deu origem às duas línguas atuais, até o período moderno. É a primeira vez que se propõe uma reconstrução detalhada do Proto-Mundurukú que inclui não só o inventário de vogais e consoantes, mas também processos fonológicos e sua tonologia. São três os estágios históricos investigados no estudo: o Pré-Proto-Mundurukú, estágio que antecede a protolíngua e que representa o ponto de partida para algumas mudanças em vogais e consoantes; o Proto-Mundurukú, que representa a língua ancestral em si; e o Pré-Mundurukú, um estágio intermediário reconstruído internamente para a língua Mundurukú, igualmente importante para se estabelecer a cronologia de determinadas mudanças linguísticas. Acompanhando os sons e suas alterações fonético-fonológicas ao longo do tempo, chega-se às línguas modernas e suas fonologias sincrônicas. E assim a história das línguas da família Mundurukú é reconstruída, revelando como as mudanças diacrônicas que afetam a fonologia de uma língua, em diferentes períodos, são refletidas sincronicamente. De modo geral, essa visão dinâmica da abordagem histórico-comparativa de línguas mostra como as línguas podem evoluir no tempo. No entanto o estudo supera seu valor puramente linguístico. Ele chama a atenção para a importância de se preservar, documentar e descrever línguas minoritárias, pois elas têm um passado, um presente e precisam ter a garantia de um futuro. Espera-se que este livro possa despertar o interesse de linguistas, estudantes e amantes da Linguística e de línguas para a realização de estudos semelhantes, em especial sobre as línguas indígenas brasileiras.