A Fronteira Sutil entre Projeto e Conservação

Ref: 978-85-473-4664-5

Existe uma fronteira sutil entre a cultura do projeto do novo e a da conservação do existente que ainda não foi devidamente explorada. O autor se propõe trabalhar esse desafio e o faz pondo ao centro da sua reflexão o estudo das obras, a partir das quais será possível começar qualquer tipo de teoria arquitetônica e de projeto.


Calcule o frete

Opções de entrega:

Versão impressa
R$ 88,00
ADICIONAR 
AO carrinho

Versão digital
R$ 39,00
ADICIONAR 
AO carrinho

ISBN: 978-85-473-4664-5


ISBN Digital: 978-85-473-4664-5


Edição:


Ano da edição: 2020


Data de publicação: 16/03/2020


Número de páginas: 377


Encadernação: Brochura


Peso: 100 gramas


Largura: 21 cm


Comprimento: 27 cm


Altura: 2 cm


1. Federico Calabrese.

Existe uma fronteira sutil entre a cultura do projeto do novo e a da conservação do existente que ainda não foi devidamente explorada. O autor se propõe trabalhar esse desafio e o faz pondo ao centro da sua reflexão o estudo das obras, a partir das quais será possível começar qualquer tipo de teoria arquitetônica e de projeto.

É uma obra madura, inovadora e original, decorrente da familiaridade do autor com o tema e com o transito entre a reflexão teórica e a prática projetual.

O texto tem a virtude de trabalhar a teoria de maneira aplicada, como estratégia possibilitada pela metodologia genealógica utilizada pelo autor e que se mostra extremamente necessária no campo do patrimônio onde, muitas vezes, fascina-se pela possibilidade de se criarem regras universais e abstratas, amparadas na consciência de que a cultura do restauro e da conservação, como apontado ao longo do livro pelos protagonistas desse âmbito cultural, tem bases técnicas e científicas sólidas; que não se rompem facilmente.

Por meio do método genealógico, o autor supera essas e outras contradições e contraposições, situando as polaridades no campo da dialética hegeliana, que, pelo menos no caso da intervenção em preexistência de interesse cultural e arquitetônico, parece ser a forma mais adequada de operação.

A delimitação do âmbito de interesse, quando se fala de projeto em preexistência, permanece, evidentemente, como questão aberta e contraditória. Ambas as culturas, aquela da conservação e a do projeto do novo, tendem a incluir, o máximo possível, os confins disciplinares nos seus respectivos territórios.

O autor acredita que na transformação se dá o resultado da dialética entre a cultura do projeto do novo e a da conservação do existente, uma vez que transformar implica, e sempre implicou, aceitar que se principia sempre de qualquer coisa já existente, que, em parte, transforma-se e, em parte, permanece com elementos invariáveis de continuidade.

A conservação configura-se, assim, como a contínua busca dos limites e das regras da transformação. Aceitar esses limites quer dizer aceitar o novo e a sua inserção na preexistência por um diálogo fecundo e rico.