Conversão dos Negócios Jurídicos Nulos: Passos para a Desmistificação

Ref: 978-85-473-4211-1

As dinâmicas sociais atuais exigem instrumentos jurídicos aptos para atenderem aos intentos negociais, ou intento prático dos sujeitos dos negócios e atos jurídicos, sem a observância de formalidades ou solenidades rígidas e, às vezes, intangíveis.


Calcule o frete

Opções de entrega:

Versão impressa
R$ 46,00 R$ 27,60 40% off
ADICIONAR 
AO carrinho

Versão digital
R$ 46,00 R$ 20,00 57% off
ADICIONAR 
AO carrinho

ISBN: 978-85-473-4211-1


ISBN Digital: 978-85-473-4212-8


Edição:


Ano da edição: 2020


Data de publicação: 18/03/2020


Número de páginas: 169


Encadernação: Brochura


Peso: 100 gramas


Largura: 14.8 cm


Comprimento: 21 cm


Altura: 2 cm


1. Rafael Mercadante Júnior.

As dinâmicas sociais atuais exigem instrumentos jurídicos aptos para atenderem aos intentos negociais, ou intento prático dos sujeitos dos negócios e atos jurídicos, sem a observância de formalidades ou solenidades rígidas e, às vezes, intangíveis. Há um princípio orientador de todos os atos e negócios jurídicos, ou seja, das manifestações humanas que tenham o condão de gerar efeitos jurídicos relevantes, criando, modificando ou extinguindo direitos próprios e/ou alheios, conforme a intenção das partes ou mesmo automaticamente, que se denomina princípio da preservação ou conservação dos atos e negócios jurídicos. Consubstanciado na cláusula favor negotii, esse princípio expressa-se por meio de alguns instrumentos jurídicos, tais como a confirmação, a ratificação, a renovação, a redução, a conversão, dentre outros. É especialmente a conversão que nos invoca a escrever este livro, já que tem a capacidade de transformar negócios jurídicos considerados inválidos ou ineficazes em outros válidos e capazes de atingir aquele escopo prático desejado, ou o mais próximo dele, também denominado desiderato negocial. Há, assim, interesses jurídicos e sociais relevantes em análise, e cumpre aos operadores e aos acadêmicos das Ciências Sociais Aplicadas o dever de difundir, com zelo e responsabilidade, com base em estudos e decisões precedentes, para não dar margem a confusões e distorções práticas, instrumentos jurídicos de tamanha expressão.