Literatura, Ensino e Formação em Tempos de Teoria (com “T” Maiúsculo)

Ref: 978-85-473-4522-8

Em Literatura, ensino e formação em tempos de Teoria (com “T” maiúsculo), André Cechinel revela imensa clareza de que a literatura existe hoje, por via de regra, aos pedaços e sempre prestes a desaparecer.


Calcule o frete

Opções de entrega:

Versão impressa
R$ 62,00
ADICIONAR 
AO carrinho

Versão digital
R$ 22,00

Nossos eBooks estão no formato ePub, o mais aceito nos variados aparelhos nos quais se podem ler livros digitais: eReaders, Smartphones, iPads, iPhones e PCs (este último por meio do Adobe Digital Editions). Os livros podem ser comprados via download nas seguintes livrarias online:

- Amazon (formato Mobi disponível para Kindle)

- Google Play Livros

- Apple Books

- Cultura/Kobo

ISBN: 978-85-473-4522-8


ISBN Digital: 978-85-473-4523-5


Edição:


Ano da edição: 2020


Data de publicação: 27/03/2020


Número de páginas: 207


Encadernação: Brochura


Peso: 300 gramas


Largura: 16 cm


Comprimento: 23 cm


Altura: 2 cm


1. André Cechinel.

Em Literatura, ensino e formação em tempos de Teoria (com “T” maiúsculo), André Cechinel revela imensa clareza de que a literatura existe hoje, por via de regra, aos pedaços e sempre prestes a desaparecer. O autor, além disso, mostra total consciência de que esse despedaçamento foi produzido por e faz sistema com os circuitos do capital e a sucessão de dramas políticos e tensões socioeconômicas que marcaram o século XX e se prolongam pelo século XXI. Cechinel converge para a conclusão de que o cortejo de crises nos últimos 100 anos foi matando a ideia de progresso, até nos submeter a uma nova temporalidade, alheia à noção de futuro. Uma temporalidade decerto não apenas esteticamente deplorável, mas, a rigor, incompatível com as lentidões que a opacidade do literário solicita para ser interpretada e assimilada às nossas vidas. O autor bem sabe, de resto, que, embora não seja necessariamente eterno e inexpugnável, o conjunto atordoante de condições a que estamos hoje submetidos tem uma força opressiva e acachapante o suficiente para nos impedir de sonhar, mesmo no longo prazo, com um destino para a literatura que não seja o de uma existência parasitária, menor, residual. São esses restos literários que Cechinel recolhe, e é a partir deles que ele tenta pensar – nos termos de uma posição próxima à que Nietzsche chamou de pessimismo de força – o ensino da literatura.