Democracia Digital: Definições de uma Nova Ciberpolítica

Ref: 978-85-473-4518-1

Ciberdemocracia, participação social e o voto pela internet tem por objetivos apresentar e refletir sobre ideias de teóricos e entendimentos de internautas sobre a interface entre política, democracia e tecnologias da comunicação e informação, seus problemas, potencialidades e perspectivas a partir da compreensão de que as novas tecnologias da comunicação causam uma disrupção na sociedade, revolucionando a compreensão sobre a participação democrática.


Calcule o frete

Opções de entrega:

Versão impressa
R$ 49,00 R$ 29,40 40% off
ADICIONAR 
AO carrinho

Versão digital
R$ 49,00 R$ 22,00 56% off
ADICIONAR 
AO carrinho

ISBN: 978-85-473-4518-1


ISBN Digital: 978-85-473-4519-8


Edição:


Ano da edição: 2020


Data de publicação: 23/04/2020


Número de páginas: 125


Encadernação: Brochura


Peso: 100 gramas


Largura: 16 cm


Comprimento: 23 cm


Altura: 2 cm


1. Acram Isper Jr..

Ciberdemocracia, participação social e o voto pela internet tem por objetivos apresentar e refletir sobre ideias de teóricos e entendimentos de internautas sobre a interface entre política, democracia e tecnologias da comunicação e informação, seus problemas, potencialidades e perspectivas a partir da compreensão de que as novas tecnologias da comunicação causam uma disrupção na sociedade, revolucionando a compreensão sobre a participação democrática. Partindo da história da internet e das novas tecnologias, procura-se colocar o ciberespaço e a ciberdemocracia como pano de fundo para o exame da possibilidade da utilização do voto por meio da internet, assim como mostrar que o uso crescente de dispositivos móveis e de aplicativos de compartilhamento de informações está possibilitando que as pessoas ganhem mais voz e, com isso, possam expressar seus descontentamentos e aprovações tanto na dimensão social quanto política. Quanto maior o percentual da população conectada, maiores as possibilidades do desenvolvimento de uma consciência política e, com isso, cresce a formação de sociedades mais transparentes e participativas. A hipótese levantada é que a forma democrática de governo tem, nas redes telemáticas, um canal complementar de informação para fomentar a participação dos cidadãos em debates sobre questões de governo.