Gramáticas das Corporeidades Afrodiaspóricas: Perspectivas Etnográficas

Ref: 978-85-473-4205-0

Entrecruzando perspectivas, experiências, metodologias, vivências e discursos, Gramáticas das Corporeidades Afrodiaspóricas reescreve o próprio fazer etnográfico. Por via de uma epistemologia ativamente minoritária, e mobilizando de forma particularmente acutilante os conceitos de “regimes de corporeidade” (que mostram como o fisiológico é sempre trama sócio-histórico-política) e de “afrodiáspora” (que neste volume aparece indissociável à expressividade do “corpo negro em movimento”), esta coleção de ensaios aborda um vasto repertório de manifestações culturais da vida negra em movimento nas pós-colônias e neo-colônias da Sul-América contemporânea.


Calcule o frete

Opções de entrega:

Versão impressa
R$ 81,00
ADICIONAR 
AO carrinho

Versão digital
R$ 28,00

Nossos eBooks estão no formato ePub, o mais aceito nos variados aparelhos nos quais se podem ler livros digitais: eReaders, Smartphones, iPads, iPhones e PCs (este último por meio do Adobe Digital Editions). Os livros podem ser comprados via download nas seguintes livrarias online:

- Amazon (formato Mobi disponível para Kindle)

- Google Play Livros

- Apple Books

- Cultura/Kobo

ISBN: 978-85-473-4205-0


ISBN Digital: 978-85-473-4206-7


Edição:


Ano da edição: 2020


Data de publicação: 26/05/2020


Número de páginas: 301


Encadernação: Brochura


Peso: 300 gramas


Largura: 16 cm


Comprimento: 23 cm


Altura: 2 cm


1. Julio Cesar de Tavares .

Entrecruzando perspectivas, experiências, metodologias, vivências e discursos, Gramáticas das Corporeidades Afrodiaspóricas reescreve o próprio fazer etnográfico. Por via de uma epistemologia ativamente minoritária, e mobilizando de forma particularmente acutilante os conceitos de “regimes de corporeidade” (que mostram como o fisiológico é sempre trama sócio-histórico-política) e de “afrodiáspora” (que neste volume aparece indissociável à expressividade do “corpo negro em movimento”), esta coleção de ensaios aborda um vasto repertório de manifestações culturais da vida negra em movimento nas pós-colônias e neo-colônias da Sul-América contemporânea. Samba, ginga, candomblé, umbanda, jongo, maracatu… deixam de ser nomes próprios designando práticas confinadas a contextos específicos e passam a operar como verbos e vetores de ação – determinando linhas de resistência, persistência, fugitividade, autonomia e ação anticolonial. Cada capítulo revela um modo do corpo-negro-em-movimento, expressando múltiplas, heterogêneas e singulares existências coreopoliticamente potentes. Contribuição notável deste volume é a abordagem desse corpo não como objeto do saber etnográfico, mas como fonte para uma nova gramática a partir da qual se possa escrever uma etnografia-minoritária afrodiaspórica. Essa coreogramática negra e minoritária (d)escreve um povo-por-vir, uma negritude em permanente e persistente devir-dissidente. A afrodiáspora que se vê então em movimento ao longo dos onze ensaios aqui reunidos demonstra que o corpo negro em movimento é o movimento negro em ação: estalando a linguagem, redesenhando o corpo, quebrando ritmos e afirmando, assim, o florescimento permanente da vida negra, mesmo nos mais inóspitos, racistas, violentos e terríveis chãos.