A Extração de Areia no Rio Piancó e seus Impactos Ambientais

Ref: 978-85-473-4509-9

O livro A extração de areia no rio Piancó e seus impactos ambientais é resultado de uma pesquisa científica de mestrado do programa de pós-graduação de Sistemas Agroindustriais da Universidade Federal de Campina Grande, realizada no período de 2017-2019, que culminou com a identificação dos locais e avaliação dos modelos de extração de areia no rio Piancó, em um percurso de 110 km, entre os municípios de Conceição e Piancó, no semiárido do estado da Paraíba, bem como analisou os impactos ambientais decorrentes dessa atividade minerária.


Calcule o frete

Opções de entrega:

Versão impressa
R$ 87,00
ADICIONAR 
AO carrinho

Versão digital
R$ 30,00

Nossos eBooks estão no formato ePub, o mais aceito nos variados aparelhos nos quais se podem ler livros digitais: eReaders, Smartphones, iPads, iPhones e PCs (este último por meio do Adobe Digital Editions). Os livros podem ser comprados via download nas seguintes livrarias online:

- Amazon (formato Mobi disponível para Kindle)

- Google Play Livros

- Apple Books

- Cultura/Kobo

ISBN: 978-85-473-4509-9


ISBN Digital: 978-85-473-4510-5


Edição:


Ano da edição: 2020


Data de publicação: 09/07/2020


Número de páginas: 201


Encadernação: Brochura


Peso: 300 gramas


Largura: 16 cm


Comprimento: 23 cm


Altura: 2 cm


1. Francisco Torres de Morais Filho.

2. Andréa Maria Brandão Mendes de Oliveira .

O livro A extração de areia no rio Piancó e seus impactos ambientais é resultado de uma pesquisa científica de mestrado do programa de pós-graduação de Sistemas Agroindustriais da Universidade Federal de Campina Grande, realizada no período de 2017-2019, que culminou com a identificação dos locais e avaliação dos modelos de extração de areia no rio Piancó, em um percurso de 110 km, entre os municípios de Conceição e Piancó, no semiárido do estado da Paraíba, bem como analisou os impactos ambientais decorrentes dessa atividade minerária. O Piancó, conforme a Agência Nacional de Águas (ANA, 2016), é o principal curso d´água da bacia hidrográfica do rio Piancó-Piranhas-Açu, naturalmente intermitente, que abrange os estados da Paraíba e do Rio Grande do Norte, e forma, em seu percurso, os açudes de Curema-Mãe d´Água e a barragem Armando Ribeiro Gonçalves, respectivamente, os maiores reservatórios de água paraibano e potiguar, numa região marcada por elevada escassez hídrica. Foram detectadas no total treze áreas de extração de areia, das quais onze são ilegais, o que é uma marca dessa atividade econômica em todo o Brasil, a clandestinidade e o informalidade. Os resultados apontam que 70% ou mais dos impactos ambientais identificados são negativos, mas com magnitude variando de 1, 2 ou 3, o que representa baixa ou média magnitude de impactos. Porém a mineração de areia também apresenta impactos positivos, como geração de emprego e renda, além de ser fundamental para o desenvolvimento urbano das cidades do Vale do Piancó. Outro aspecto de grande importância é o desassoreamento do canal do rio Piancó, pois evita cheias e retém com mais intensidade os sedimentos que fluem a cada ano hídrico, o que impede que o material alcance reservatórios rio abaixo. Com a legalização da atividade, por meio de criação de cooperativa para os areeiros (carroceiros, operadores de máquina e caçambeiros), bem como a utilização de medidas visando reduzir os impactos ambientais negativos, a mineração de areia no rio Piancó é totalmente possível e viável.