Sindicatos dos Trabalhadores Bancários: Formações Discursivas em Concorrência

Ref: 978-65-5523-163-2

Em Sindicato dos trabalhadores bancários: formações discursivas em concorrência, resultado de minha pesquisa de doutoramento, analisei a relação interdiscursiva que não só envolve, mas também constitui os discursos dos sindicatos dos bancários de São Paulo e de Santos, durante a Campanha Salarial de 2015. Ambos os sindicatos representam a categoria dos bancários em suas respectivas bases, com a finalidade de resguardar seus interesses econômicos e laborais. Contudo eles discordam, às vezes, no modo de fazê-lo.


Calcule o frete

Opções de entrega:

Versão impressa
R$ 130,00 R$ 78,00 40% off
ADICIONAR 
AO carrinho

ISBN: 978-65-5523-163-2


Edição:


Ano da edição: 2020


Data de publicação: 27/07/2020


Número de páginas: 277


Encadernação: Brochura


Peso: 100 gramas


Largura: 21 cm


Comprimento: 27 cm


Altura: 2 cm


1. Antonio Artequilino da Silva Neto.

Em Sindicato dos trabalhadores bancários: formações discursivas em concorrência, resultado de minha pesquisa de doutoramento, analisei a relação interdiscursiva que não só envolve, mas também constitui os discursos dos sindicatos dos bancários de São Paulo e de Santos, durante a Campanha Salarial de 2015. Ambos os sindicatos representam a categoria dos bancários em suas respectivas bases, com a finalidade de resguardar seus interesses econômicos e laborais. Contudo eles discordam, às vezes, no modo de fazê-lo.
A análise histórica do movimento sindical bancário revela o percurso das lutas empreendidas e suas consequências na atualidade. As mudanças no mundo do trabalho continuam acontecendo e incluem as transformações na indústria bancária brasileira, a qual tem promovido mudanças estruturais que afetam tanto o emprego quanto as condições de trabalho dos bancários. Nesse cenário, o papel do movimento sindical dos bancários é desempenhado dentro de uma complexa dinâmica de interações que inclui instituições financeiras, trabalhadores bancários, poder judiciário, centrais sindicais, governo e a população em geral.
As negociações coletivas acontecem na data-base da categoria e representam o clímax do confronto de interesses que colocam em mesas opostas os sindicatos dos trabalhadores bancários e os representantes dos empregadores, pois trata-se de um momento crítico, revelador das tensões que assumem e expressam posicionamentos ideológicos distintos no tratamento das questões que envolvem as relações conflituosas entre capital e trabalho em seus aspectos de natureza sindical, social, política, econômica e histórica.
Este livro tem como público-alvo pesquisadores do universo do trabalho (sociólogos, historiadores, advogados, economistas, analistas do discurso, entre outros), mas não deixa de ser recomendado ao público geral, visto que aborda temáticas que dizem respeito a todos, bancários, banqueiros, trabalhadores sindicalizados ou leitores que desejam conhecer os bastidores de uma negociação entre sindicatos e patronato.