Cartas de um Demônio

Ref: 978-65-5523-553-1

Em Cartas de um demônio vocês encontrarão relatos baseados em fatos reais produzidos a partir de uma reconstrução textual que realizei 10 anos após a morte da 13ª mulher, na cidade de Tupã Kiriri. Ao todo, 13 mulheres foram mortas por um assassino em série. Os crimes ocorreram entre os anos de 1971 e 1991, sempre no dia 31 do mês de outubro, data em que se comemorava a Festa das Ruas Escuras. É a mesma data que se conhece por Halloween, isto é, o Dia das Bruxas.


Calcule o frete

Opções de entrega:

Versão impressa
R$ 36,00 R$ 32,40 10% off
ADICIONAR 
AO carrinho

ISBN: 978-65-5523-553-1


Edição:


Ano da edição: 2020


Data de publicação: 10/08/2020


Número de páginas: 79


Encadernação: Brochura


Peso: 100 gramas


Largura: 14.8 cm


Comprimento: 21 cm


Altura: 2 cm


1. Adílio Junior de Souza.

Em Cartas de um demônio vocês encontrarão relatos baseados em fatos reais produzidos a partir de uma reconstrução textual que realizei 10 anos após a morte da 13ª mulher, na cidade de Tupã Kiriri. Ao todo, 13 mulheres foram mortas por um assassino em série. Os crimes ocorreram entre os anos de 1971 e 1991, sempre no dia 31 do mês de outubro, data em que se comemorava a Festa das Ruas Escuras. É a mesma data que se conhece por Halloween, isto é, o Dia das Bruxas.

A cidade de Tupã Kiriri foi abalada por essas mortes. Todos os principais detalhes dos crimes foram achados em documentos jornalísticos na gaveta da escrivaninha da residência de André Cassiano de Souza, meu avô paterno.

Os escritos aqui apresentados contêm inúmeros detalhes dos feminicídios, colhidos dos depoimentos realizados na época dos acontecimentos, graças ao trabalho investigativo que ele desenvolveu por muitos anos.

Não espero mérito nesta narrativa, mas acredito que é válida para que vocês saibam de toda a verdade, eis que a intenção aqui é revelar o verdadeiro nome do homicida que assombrou a vida da população de Tupã Kiriri.

Por muito tempo meu avô se dedicou a investigar os casos. Ele, indignado, porque até então ninguém havia identificado o facínora, decidiu percorrer a cidade, levantando indícios que pudessem esclarecer os fatos.

Como elucidar os crimes? Quais pistas eram reais? Dúvidas como essas pairavam na mente de meu avô. Foi, então, que um pequeno pedaço de papel encontrado em 1971 tornou-se uma prova cabal de quem poderia ter cometido os crimes. Deixo-os a leitura e, quem sabe, vocês mesmos poderão identificá-lo.