Minha Família não Existe, Por Quê? Discussões sobre o Estatuto da Família no Congresso Nacional pelo Olhar da Mídia

Ref: 978-65-5523-627-9

Devido a?s intensas trocas de conhecimentos e de informac?o?es que vivenciamos causadas pela globalizac?a?o, pelos avanc?os das tecnologias, estamos num processo de readaptac?a?o de pra?ticas sociais. O tradicional sofre profundas mudanc?as. Giddens (1991) chama esse feno?meno de Modernidade Tardia. Instituic?o?es como a fami?lia sofrem reestruturac?a?o.


Calcule o frete

Opções de entrega:

Versão impressa
R$ 58,00
ADICIONAR 
AO carrinho

Versão digital
R$ 20,00

Nossos eBooks estão no formato ePub, o mais aceito nos variados aparelhos nos quais se podem ler livros digitais: eReaders, Smartphones, iPads, iPhones e PCs (este último por meio do Adobe Digital Editions). Os livros podem ser comprados via download nas seguintes livrarias online:

- Amazon (formato Mobi disponível para Kindle)

- Google Play Livros

- Apple Books

- Cultura/Kobo

ISBN: 978-65-5523-627-9


ISBN Digital: 978-65-5523-624-8


Edição:


Ano da edição: 2020


Data de publicação: 06/08/2020


Número de páginas: 111


Encadernação: Brochura


Peso: 300 gramas


Largura: 16 cm


Comprimento: 23 cm


Altura: 2 cm


1. Fernanda Pinheiro de Souza e Silva .

Devido a?s intensas trocas de conhecimentos e de informac?o?es que vivenciamos causadas pela globalizac?a?o, pelos avanc?os das tecnologias, estamos num processo de readaptac?a?o de pra?ticas sociais. O tradicional sofre profundas mudanc?as. Giddens (1991) chama esse feno?meno de Modernidade Tardia. Instituic?o?es como a fami?lia sofrem reestruturac?a?o. Este livro surge diante desse contexto sociopoli?tico e social em que a maior parte das informac?o?es que os cidada?os te?m acesso vem da mi?dia que elabora verso?es de eventos sociais de acordo com seus posicionamentos socio- poli?ticos. A partir dessa situac?a?o aparece uma questa?o que embasa todo o livro: sabendo que as instituic?o?es midia?ticas na?o sa?o neutras quanto a? qualidade da infor- mac?a?o a ser veiculada, como elas elaboram discursos ideologicamente marcados? Como articulam suas crenc?as e interesses de forma persuasiva, e ate? manipulativa, no sentido de abuso de poder? Pretende-se, aqui, provocar reflexo?es sobre as orien- tac?o?es ideolo?gicas que norteiam algumas revistas e portais acerca da questa?o da aprovac?a?o do novo conceito de fami?lia no Congresso Nacional. O nosso pressuposto e? que, a depender da qualidade do acesso a? informac?a?o, as pessoas posicionam-se de forma distinta. Optou-se por discutir sobre os embates discursivos a respeito desse assunto, por ser um evento pole?mico e atual que se instala no Congresso e na sociedade. Considero um tema pole?mico porque na pro?pria Constituic?a?o nacional, o termo “fami?lia” refere-se ao grupo formado por homem, mulher e filhos; no entanto, hoje, novas formac?o?es familiares existem e muitos parlamentares ensejam ampliar esse conceito. Ale?m disso, como pesquisadora, mas ao mesmo tempo pertencente a uma fami?lia na?o padra?o, entusiasmo-me em investigar e discutir sobre as novas formac?o?es familiares que eclodem na sociedade, e que precisam ser reconhecidas por ela, inclusive perante a lei. Trago no livro ana?lises que objetivam identificar e com- preender estrate?gias lingui?sticas e discursivas em func?a?o de questo?es poli?ticas e ideolo?gicas de instituic?o?es jornali?sticas. Para fundamentar o trabalho, lanc?amos ma?o da Ana?lise Cri?tica do Discurso como referencial teo?rico e metodolo?gico de pesquisa para examinar as construc?o?es discursivas relativas ao abuso de poder.