Por Trás da Estante: Histórias da Meia-Noite, de Machado de Assis

Ref: 978-65-5523-729-0

Em Por tra?s da estante: Histo?rias da meia-noite, de Machado de Assis, Vizette Priscila Seidel amplia as constelac?o?es do conhecimento sobre a escrita machadiana. Numa ana?lise cuidadosa dos contos de Histo?rias da meia-noite (1873), a autora revela a pote?ncia nas sutilezas dos textos do primeiro Machado de Assis, corroborando para a tese de que a geniali- dade e o engenho desse autor se mostravam claros desde os seus primeiros momentos.


Calcule o frete

Opções de entrega:

Versão impressa
R$ 52,00
ADICIONAR 
AO carrinho

ISBN: 978-65-5523-729-0


Edição:


Ano da edição: 2020


Data de publicação: 10/08/2020


Número de páginas: 115


Encadernação: Brochura


Peso: 300 gramas


Largura: 26 cm


Comprimento: 23 cm


Altura: 2 cm


1. Vizette Priscila Seidel.

Em Por tra?s da estante: Histo?rias da meia-noite, de Machado de Assis, Vizette Priscila Seidel amplia as constelac?o?es do conhecimento sobre a escrita machadiana. Numa ana?lise cuidadosa dos contos de Histo?rias da meia-noite (1873), a autora revela a pote?ncia nas sutilezas dos textos do primeiro Machado de Assis, corroborando para a tese de que a geniali- dade e o engenho desse autor se mostravam claros desde os seus primeiros momentos.
O motor das reflexo?es aqui apresentadas e? o olhar para as subversões com o romantismo presente nesses textos originalmente publicados em perio?dicos para mulheres. A todo tempo, a autora mostra como os contos confundem as expectativas do olhar roma?ntico, transformando-o em um pano de fundo, este sim importanti?ssimo para nos revelar as farsas e os interesses que dominam relac?o?es, em geral amorosas, de personagens ta?o comuns.
Inserindo-se no conjunto de escritos que dissecam o primeiro Machado a partir de seu prova?vel projeto este?tico antirroma?ntico, este livro retoma a segunda coleta?nea de contos de Machado de Assis e a desdobra em seus detalhes e contexto, mostrando a maestria com que o autor fluminense lidava com seu tempo, valori- zando o suporte do texto, as intertextualidades ou, ate? mesmo, as irrupc?o?es cri?ticas, tanto sociais quanto litera?rias.