Recursos Hídricos: percepção de Estudantes e Veiculação da Temática em Livros Didáticos

Ref: 978-65-5523-098-7

Diante da importância e da intensificação da degradação dos recursos hídricos, é fundamental identificar o modo como as pessoas os percebem.


Calcule o frete

Opções de entrega:

Versão impressa
R$ 52,00
ADICIONAR 
AO carrinho

Versão digital
R$ 18,00

Nossos eBooks estão no formato ePub, o mais aceito nos variados aparelhos nos quais se podem ler livros digitais: eReaders, Smartphones, iPads, iPhones e PCs (este último por meio do Adobe Digital Editions). Os livros podem ser comprados via download nas seguintes livrarias online:

- Amazon (formato Mobi disponível para Kindle)

- Google Play Livros

- Apple Books

- Cultura/Kobo

ISBN: 978-65-5523-098-7


ISBN Digital: 978-85-473-4649-2


Edição:


Ano da edição: 2020


Data de publicação: 08/10/2020


Número de páginas: 87


Encadernação: Brochura


Peso: 300 gramas


Largura: 14.8 cm


Comprimento: 21 cm


Altura: 2 cm


1. Márcia Rosa Gomes.

2. Guilherme Malafaia.

3. Aline Sueli de Lima Rodrigues.

Diante da importância e da intensificação da degradação dos recursos hídricos, é fundamental identificar o modo como as pessoas os percebem. Nesse sentido, o presente livro traz resultados de uma investigação minuciosa sobre como esses recursos são percebidos por estudantes do ensino médio, oriundos de distintas instituições de ensino do Estado de Goiás, bem como seus conhecimentos sobre a temática. A partir da interpretação de distintas charges pelos estudantes, evidenciamos que suas percepções foram pouco abrangentes e que seus conhecimentos acerca de aspectos ligados aos recursos hídricos são superficiais. Nesta obra também será possível contemplar uma avaliação dos conteúdos referentes à temática “recursos hídricos” presentes em livros didáticos de Biologia do ensino médio. Tal avaliação buscou identificar se as percepções e conhecimentos dos estudantes estavam correlacionados com a qualidade desses livros. A leitura deste livro permitirá conhecer a realidade formativa de várias instituições de ensino do interior do Brasil, bem como refletir sobre a necessidade de avançar na busca de uma formação básica que valorize os recursos naturais e que seja capaz de resgatar a formação omnilateral do ser humano.