Condenados Corpos Negros e Outros Poemas

Ref: 978-65-5523-720-7

Em Condenados corpos negros e outros poemas, o leitor encontrará o sentimento de repulsa e indignação gerada pela barbárie da escravização que marcou profundamente a população afro-brasileira.


Calcule o frete

Opções de entrega:

Versão impressa
R$ 38,00 R$ 34,20 10% off
ADICIONAR 
AO carrinho

ISBN: 978-65-5523-720-7


Edição:


Ano da edição: 2020


Data de publicação: 07/10/2020


Número de páginas: 93


Encadernação: Brochura


Peso: 100 gramas


Largura: 14.8 cm


Comprimento: 21 cm


Altura: 2 cm


1. Antonio Carlos Lopes Petean.

Em Condenados corpos negros e outros poemas, o leitor encontrará o sentimento de repulsa e indignação gerada pela barbárie da escravização que marcou profundamente a população afro-brasileira. População cujas dores nasceram nos distantes entrepostos em que se comercializava a pele negra para ser escravizada e atender à cobiça de um sistema que se pautava pela desumanização dos corpos africanos. Corpos que percorreram o mar azul em tumbeiros mofados, que exalavam odor de sangue e jorravam lágrimas, que tingiam de vermelho e cinza os dias e as noites do Atlântico. Nos porões tumbeiros, os únicos sons eram das correntes e chibatas que marcavam a carne negra. E são essas marcas psíquicas e físicas que se perpetuam por séculos nos corpos negros segregados e estigmatizados por essa terra que insiste em criar muros e manter a invisibilidade da pele negra sem se envergonhar. Mas no decorrer dos séculos, os corpos negros criaram, reinventaram e construíram expressões artísticas, saberes e manifestações religiosas, como instrumentos de resistência à escravização, ao racismo e à segregação. E é desse universo de preconceito e resistência que os poemas desta obra tratam, dando visibilidade às dores e às lutas de homens e mulheres de ancestralidade africana que não encontraram o reconhecimento e a acolhida merecida. Aqui, o leitor encontrará um olhar poético que não compactua com a ideia de uma “democracia racial” e destaca a ideia de valas/senzalas.