Entre Solitários e Solidários, o Empreendedor como Trabalhador Ideal

Ref: 978-65-5523-716-0

Ser empreendedor não é algo raro, disponível a apenas poucos indivíduos. Ao contrário, uma rápida observação mostra-nos como o empreendedor, enquanto identidade e modalidade de atuação, dissemina-se no mercado de trabalho.


Calcule o frete

Opções de entrega:

Versão impressa
R$ 66,00
ADICIONAR 
AO carrinho

Versão digital
R$ 23,00

Nossos eBooks estão no formato ePub, o mais aceito nos variados aparelhos nos quais se podem ler livros digitais: eReaders, Smartphones, iPads, iPhones e PCs (este último por meio do Adobe Digital Editions). Os livros podem ser comprados via download nas seguintes livrarias online:

- Amazon (formato Mobi disponível para Kindle)

- Google Play Livros

- Apple Books

- Cultura/Kobo

ISBN: 978-65-5523-716-0


ISBN Digital: 978-65-5523-725-2


Edição:


Ano da edição: 2020


Data de publicação: 19/10/2020


Número de páginas: 237


Encadernação: Brochura


Peso: 300 gramas


Largura: 16 cm


Comprimento: 23 cm


Altura: 2 cm


1. Julia Salgado.

Ser empreendedor não é algo raro, disponível a apenas poucos indivíduos. Ao contrário, uma rápida observação mostra-nos como o empreendedor, enquanto identidade e modalidade de atuação, dissemina-se no mercado de trabalho. Microempreendedor individual, empreendedor social, intraempreendedor, empreendedor mirim, empreendedor digital, empreendedor coletivo, mompreneur... Essas diversas nomenclaturas mostram-nos que não apenas há uma grande quantidade de indivíduos empreendendo na atualidade, mas também presenciamos uma surpreendente diversificação de modos de ser empreendedor hoje – variedade tal que possibilita que o empreendedorismo abarque cada vez mais pessoas em suas lógicas e práticas.

Contudo nem sempre o cenário foi esse. Até algumas décadas, ser empreendedor era uma atividade restrita a um tipo específico de indivíduo: o homem de meia idade, branco, pertencente à classe média-alta e atua como o “grande capitalista” da indústria, do comércio, do mercado financeiro. Como foi possível, então, que essa atividade se popularizasse e se disseminasse em nossa sociedade, abarcando cada vez mais (e diferentes) indivíduos? Foi esse questionamento que me levou a pesquisar a transformação da figura do empreendedor no Brasil, por meio da análise de discursos em um dos maiores e mais influentes jornais nacional, a Folha de S. Paulo. Analisando quatro décadas de publicações, busco compreender como (e sob quais justificações morais e práticas) o empreendedor vem sendo construído e apresentado como a subjetividade mais adequada à contemporaneidade.