“Quem se Associa se Afia”: A Profissionalização dos Artistas Plásticos em Pernambuco

Ref: 978-65-5523-859-4

É muito bem-vinda a contribuição do historiador e Prof. Dr. José Brito ao complexo e polissêmico universo da história da arte brasileira.


Calcule o frete

Opções de entrega:

Versão impressa
R$ 76,00
ADICIONAR 
AO carrinho

ISBN: 978-65-5523-859-4


Edição:


Ano da edição: 2020


Data de publicação: 27/10/2020


Número de páginas: 299


Encadernação: Brochura


Peso: 300 gramas


Largura: 16 cm


Comprimento: 23 cm


Altura: 2 cm


1. José Bezerra de Brito Neto.


É muito bem-vinda a contribuição do historiador e Prof. Dr. José Brito ao complexo e polissêmico universo da história da arte brasileira. O debate em torno da profissionalização dos artistas plásticos de Pernambuco, pós-anos 50, surge como uma tentativa salutar de cartografar as múltiplas existências desses agentes culturais que passaram a dialogar com as agendas políticas e sociais de diversos períodos da história do Brasil. Deslocando o debate para regiões em que a historiografia oficial do campo das artes não dava a devida importância.
Os artistas plásticos de Pernambuco, atuantes entre o período de 1950 a 1980, são analisados nesta obra enquanto uma categoria que disputou e negociou direitos trabalhistas por meio de associações internacionais e locais. Essas associações, Associação Internacional de Artes Plásticas – AIAP e a Associação de Artistas Plásticos Profissionais de Pernambuco – AAPPE, estruturam-se enquanto importantes lócus de resistência e negociações políticas em torno dos direitos de existir enquanto artistas profissionais ao dialogar com as novas burocracias implementadas pelo Estado brasileiro e pela Ditadura Civil Militar no Brasil.
Os artistas profissionais passam a gerenciar sua imagem negociando com os novos espaços especializados em acolher o artista e o saber epistêmico em torno das artes plásticas, ampliando suas redes de contato, networks, que se dilatam no momento que esses agentes modernos passam a ser figuras desterritorializadas mediante sua arte.
Para dar conta de uma temática tão singular e multifacetada, o historiador José Brito percorre uma série de arquivos, museus, coleções particulares e públicas que são responsáveis pela guarda da memória do campo artístico de Pernambuco e do mundo. E ainda cruza informações de fontes impressas como: jornais, revistas, catálogos, fotos, atas, correspondências etc., com fontes orais extraídas de uma série de entrevistas realizadas com artistas plásticos que vivenciaram o debate em torno da profissionalização no período estudado.
Embasado com as mais atuais teorias do campo das artes, da história da arte, sociologia da arte e história política, este livro desconstrói a secular ideia da existência de artistas vocacionados, e os expõe dentro de um recorte espacial e temporal repleto de lutas cotidianas para a garantia da sobrevivência desses agentes. O livro destaca o processo de profissionalização dos artistas plástico de Pernambuco enquanto um processo político que varia nas escalas temporais e culturais, mas que fazem parte do novo habitus social do artista moderno em diversas regiões do Brasil pós-anos 50.