Economia das Relações de Poder: Um Conceito de Inspiração Foucaultiana

Ref: 978-65-5820-185-4

O livro Economia das relações de poder nasceu de uma provocação do pensador Michel Foucault, que, em um artigo de 1982, disse: “eis o que precisamos, uma nova economia das relações de poder” (DE, p. 1043). E ponto final. Esse artigo, da década de 80, avança sobre outros temas como o “esclarecimento” e a rejeição das “patologias do poder”, mas sobre o que seria essa nova economia nada mais é dito. Pior, ele sequer chega a explicar o que seria de fato uma “economia do poder”.


Calcule o frete

Opções de entrega:

Versão impressa
R$ 66,00
ADICIONAR 
AO carrinho

Versão digital
R$ 23,00

Nossos eBooks estão no formato ePub, o mais aceito nos variados aparelhos nos quais se podem ler livros digitais: eReaders, Smartphones, iPads, iPhones e PCs (este último por meio do Adobe Digital Editions). Os livros podem ser comprados via download nas seguintes livrarias online:

- Amazon (formato Mobi disponível para Kindle)

- Google Play Livros

- Apple Books

- Cultura/Kobo

ISBN: 978-65-5820-185-4


ISBN Digital: 978-65-5820-212-7


Edição:


Ano da edição: 2020


Data de publicação: 03/11/2020


Número de páginas: 277


Encadernação: Brochura


Peso: 300 gramas


Largura: 16 cm


Comprimento: 23 cm


Altura: 2 cm


1. José Eduardo Pimentel Filho.

O livro Economia das relações de poder nasceu de uma provocação do pensador Michel Foucault, que, em um artigo de 1982, disse: “eis o que precisamos, uma nova economia das relações de poder” (DE, p. 1043). E ponto final. Esse artigo, da década de 80, avança sobre outros temas como o “esclarecimento” e a rejeição das “patologias do poder”, mas sobre o que seria essa nova economia nada mais é dito. Pior, ele sequer chega a explicar o que seria de fato uma “economia do poder”.

Assim, mais do que um texto, estas páginas são um exercício arqueológico para preencher o vazio deixado por Foucault em sua provocação. Fazendo com que Economia, Filosofia e História sejam os instrumentos utilizados para entender o que somos enquanto sujeitos econômicos. O leitor encontrará um campo de arranjos e desarranjos, no qual teorias econômicas e filosóficas (ora em confronto, ora em harmonia) se esforçam para dizer o que o ser humano foi, é e deve ser. Nesse exercício de escavação arqueológica do saber, na mais profunda das camadas, encontraremos nosso antepassado distante: o Anthropos Oikonomikos grego. E passo a passo o leitor avançará em suas mutações, como a violenta passagem do Anthropos Oikonomikos ao Homo Economicus moderno, mas também a passagem quase imperceptível do Homo Economicus para o Capital Humano contemporâneo. Com a constante presença e força do pensamento foucaultiano, conceitos como riqueza, sexualidade, escravidão, loucura, mercado etc. vão dando sentido aos mais complexos jogos de poder, saber e valor.

Sem querer sentenciar qual seria a “nova economia” um dia sugerida por Foucault, esta obra tem a ousada tarefa de dar ao leitor as ferramentas para que busque seus próprios meios e forças para sugerir então a sua economia do poder.