Filosofia da Linguagem e Estudos Literários: um Ensaio Interdisciplinar

Ref: 978-65-5523-944-7

Este livro é fruto de um diálogo interdisciplinar. Uma tentativa de construir uma ponte, uma maior aproximação entre a tradição da filosofia da linguagem e a crítica literária, ou enunciando, de forma mais direta, ao gosto dos pragmáticos leitores de R. Rorty, “[...] seria útil que as pessoas que leram muitos livros de filosofia se juntassem a pessoas que leram muita poesia e muitos romances.”.


Calcule o frete

Opções de entrega:

Versão impressa
R$ 55,00
ADICIONAR 
AO carrinho

Versão digital
R$ 19,00

Nossos eBooks estão no formato ePub, o mais aceito nos variados aparelhos nos quais se podem ler livros digitais: eReaders, Smartphones, iPads, iPhones e PCs (este último por meio do Adobe Digital Editions). Os livros podem ser comprados via download nas seguintes livrarias online:

- Amazon (formato Mobi disponível para Kindle)

- Google Play Livros

- Apple Books

- Cultura/Kobo

ISBN: 978-65-5523-944-7


ISBN Digital: 978-65-5523-918-8


Edição:


Ano da edição: 2020


Data de publicação: 11/11/2020


Número de páginas: 169


Encadernação: Brochura


Peso: 300 gramas


Largura: 16 cm


Comprimento: 23 cm


Altura: 2 cm


1. Jones Alberto de Almeida.

Este livro é fruto de um diálogo interdisciplinar. Uma tentativa de construir uma ponte, uma maior aproximação entre a tradição da filosofia da linguagem e a crítica literária, ou enunciando, de forma mais direta, ao gosto dos pragmáticos leitores de R. Rorty, “[...] seria útil que as pessoas que leram muitos livros de filosofia se juntassem a pessoas que leram muita poesia e muitos romances.”.
Procurei buscar uma fusão de horizontes entre interesses não comuns e a diversidade das teses. A tarefa foi e é, árdua, complexa, pois nossos teóricos, estando cada qual em sua “montanha mais distante”, perseguem objetivos tão específicos que é difícil fazê-los reconhecer que o que vêm no horizonte são terras habitadas por semelhantes e não por abismos – embora profundos... A impressão, o mapa, e não o território, por fim, parece predominar, pois ainda não se possui um olhar compartilhado sobre esses temas. Acredito, entretanto, no esforço do acolhimento dos estudos interdisciplinares e que a imagem dos abismos também é capaz de inspirar alguma paixão, pois é costume amar a terra em que se nasceu – Amor fati.