Rousseau e a Educação: Da Educação Natural à Educação para a Cidadania

Ref: 978-65-5820-273-8

Rousseau e a educação: da educação natural à educação para a cidadania fornece reflexões a respeito da filosofia de Rousseau em contraste à educação. A filosofia rousseauniana realiza-se muito parcialmente na história, porque, justamente, não representa a ideologia de uma classe particular/dominante, e sim, a ideologia genérica das classes e setores subalternos. Em outras palavras, representa a ideologia do povo, por oposição ao poder institucionalizado. Nesse sentido, seria uma pretensão falsa atribuir à filosofia de Rousseau uma realização acabada enquanto existir o Estado, como um poder exterior aos indivíduos.


Calcule o frete

Opções de entrega:

Versão impressa
R$ 55,00
ADICIONAR 
AO carrinho

ISBN: 978-65-5820-273-8


Edição:


Ano da edição: 2020


Data de publicação: 05/01/2020


Número de páginas: 149


Encadernação: Brochura


Peso: 300 gramas


Largura: 16 cm


Comprimento: 23 cm


Altura: 2 cm


1. Jane Rangel Alves Barbosa.

Rousseau e a educação: da educação natural à educação para a cidadania fornece reflexões a respeito da filosofia de Rousseau em contraste à educação. A filosofia rousseauniana realiza-se muito parcialmente na história, porque, justamente, não representa a ideologia de uma classe particular/dominante, e sim, a ideologia genérica das classes e setores subalternos. Em outras palavras, representa a ideologia do povo, por oposição ao poder institucionalizado. Nesse sentido, seria uma pretensão falsa atribuir à filosofia de Rousseau uma realização acabada enquanto existir o Estado, como um poder exterior aos indivíduos.

No pensamento de Rousseau, o interesse geral não se articula com o interesse de classe. A posição de Rousseau, a respeito da propriedade privada e da representação política, reflete esse aspecto. Quanto à atualidade do pensamento de Rousseau, essa vem à tona justamente pela quebra histórica dos conceitos correspondentes, tanto no marxismo quanto no liberalismo, que reivindicam para determinadas classes ou grupos sociais, a capacidade de assumir a hegemonia de um processo de transformação que represente um princípio (e uma realidade) de desigualdade e liberdade superiores para os membros da sociedade.