Escritas do Corpo na Psicose

Ref: 978-65-5523-562-3

Escritas do corpo na psicose é o resultado de uma investigação sobre a relação do sujeito com o corpo, em especial na clínica da psicose que, em decorrência do mecanismo da foraclusão que marca essa estrutura, não é regido por uma norma fálica, sendo problemática a construção da ficção de um corpo próprio. Examina-se a hipótese de que as práticas corporais na psicose são tentativas do sujeito de inscrever um corpo, correlativas às tentativas de estabilização.


Calcule o frete

Opções de entrega:

Versão impressa
R$ 55,00
ADICIONAR 
AO carrinho

Versão digital
R$ 19,00

Nossos eBooks estão no formato ePub, o mais aceito nos variados aparelhos nos quais se podem ler livros digitais: eReaders, Smartphones, iPads, iPhones e PCs (este último por meio do Adobe Digital Editions). Os livros podem ser comprados via download nas seguintes livrarias online:

- Amazon (formato Mobi disponível para Kindle)

- Google Play Livros

- Apple Books

- Cultura/Kobo

ISBN: 978-65-5523-562-3


ISBN Digital: 978-65-5523-561-6


Edição:


Ano da edição: 2020


Data de publicação: 30/11/2020


Número de páginas: 205


Encadernação: Brochura


Peso: 300 gramas


Largura: 16 cm


Comprimento: 23 cm


Altura: 2 cm


1. Claudia Escórcio Gurgel do Amaral Pitanga.

2. Doris Rinaldi.

Escritas do corpo na psicose é o resultado de uma investigação sobre a relação do sujeito com o corpo, em especial na clínica da psicose que, em decorrência do mecanismo da foraclusão que marca essa estrutura, não é regido por uma norma fálica, sendo problemática a construção da ficção de um corpo próprio. Examina-se a hipótese de que as práticas corporais na psicose são tentativas do sujeito de inscrever um corpo, correlativas às tentativas de estabilização. Para isso, percorre-se as concepções de corpo, bem como o funcionamento da estrutura da psicose na obra de Sigmund Freud e Jacques Lacan. As práticas corporais como tentativas de fazer marcas diferenciam-se quanto à sua complexidade, desde os cortes à criação artística, mas têm em comum a urgência de uma escrita pulsional, que "não pára de não se escrever" (LACAN, 1985/1972-1973, p.127). Verifica-se que o sinthoma é a forma princeps de suplência simbólica, que, por meio da arte, poderá dar um suporte simbólico ao corpo. A perspectiva oferecida pela concepção lacaniana de sinthoma transforma o psicótico em um artesão, que, por meio de um artifício, poderá inventar aquilo que produzirá uma estabilização. Mediante o conceito de "corpo dançante", de Didier-Weill (1979; 1999; 2012; 2014), analisa-se o caso do bailarino Nijinsky para que se discuta o possível alcance da criação artística para a psicose. Conclui-se que a criação artística poderá ser uma saída de mestre, na qual o psicótico poderá fazer mestria de sua arte e, juntamente a ela, inventar uma nomeação para si, assim como um lugar no discurso que poderá fazer laço social. Assim, o trabalho permanente encontrado na psicose constitui-se em uma possibilidade de entrada do discurso analítico. Se há um trabalho do lado do analista com relação à psicose, é no acolhimento dessas tentativas de inscrição, como escritas da psicose.