Imagem Fascista no Cinema: Remakes, Blockbusters e Violência

Ref: 978-65-5820-152-6

O livro Imagem fascista no cinema: remakes, blockbusters e violência apresenta uma análise de uma estética cinematográfica violenta por sua imposição de sentido e o modo pelo qual somos afetados por ela em âmbito subjetivo.


Calcule o frete

Opções de entrega:

Versão impressa
R$ 55,00
ADICIONAR 
AO carrinho

Versão digital
R$ 19,00

Nossos eBooks estão no formato ePub, o mais aceito nos variados aparelhos nos quais se podem ler livros digitais: eReaders, Smartphones, iPads, iPhones e PCs (este último por meio do Adobe Digital Editions). Os livros podem ser comprados via download nas seguintes livrarias online:

- Amazon (formato Mobi disponível para Kindle)

- Google Play Livros

- Apple Books

- Cultura/Kobo

ISBN: 978-65-5820-152-6


ISBN Digital: 978-65-5820-147-2


Edição:


Ano da edição: 2020


Data de publicação: 02/12/2020


Número de páginas: 149


Encadernação: Brochura


Peso: 300 gramas


Largura: 16 cm


Comprimento: 23 cm


Altura: 2 cm


1. Johanna Gondar Hildenbrand.

2. Francisco Ramos de Farias.

O livro Imagem fascista no cinema: remakes, blockbusters e violência apresenta uma análise de uma estética cinematográfica violenta por sua imposição de sentido e o modo pelo qual somos afetados por ela em âmbito subjetivo. O uso fascista da imagem será exemplificado por meio de remakes e blockbusters hollywoodianos atuais e, entendendo o cinema enquanto meio de expressão de uma determinada época, podemos perceber como o emprego de determinadas formas estéticas e tecnológicas afetam a produção de sensibilidade de certo período histórico, como é forte a ligação entre a sensibilidade e a memória, e de que forma elas constroem, ou impactam, a subjetividade. Devido à violência traumática trazida pelas mudanças tecnológicas na Modernidade, como indica o filósofo Walter Benjamin, o sujeito sofre transformações em seu aparelho perceptivo e, consequentemente, na forma como elabora suas experiências. Isso acarreta uma maior sujeição ao choque urbano e ao trauma. Neste livro, a violência residirá no fato de limitar o pensamento do espectador e impor imagens previamente interpretadas, mesmo que o filme pareça suave. Violenta é a imagem que aspira não deixar lugar a nenhuma outra reflexão além da interpretação que ela pretende inculcar. Esse modo de afetação em muito se assemelha à padronização cultural imposta por movimentos fascistas e, por esse motivo, será atribuído à indústria hollywoodiana contemporânea um uso fascista da imagem cinematográfica. Em contrapartida, também serão discutidas diferentes formas de resistência ao cinema hollywoodiano, seja a partir de movimentos que defendem uma outra qualidade de relação com as próprias imagens ou, como veremos, a partir das possibilidades de elaboração do próprio espectador.