Traz a Cuia, Vem Beber Caxiri! : Ebriedades Indígenas na Amazônia e a Coerção em Tempos de Diretório (1754 – 1802)

Ref: 978-65-5820-479-4

Com uma abordagem multidisciplinar, este livro é resultado de uma pesquisa minuciosa sobre o Diretório do século XVIII, órgão colonial instituído por meio de lei em 1757, formalmente desfeito em 1798, mas que deixou como legado muitas marcas de seu tempo. Entre as diretrizes dessa lei, há aquelas que tratam das ebriedades indígenas (artigos 13, 14 e 28) e as que tratam do comércio de cachaça com os nativos (artigos 40, 41 e 42), nesse caso com uma aparente contradição entre proibi-lo e permiti-lo.


Calcule o frete

Opções de entrega:

Versão impressa
R$ 66,00
ADICIONAR 
AO carrinho

Versão digital
R$ 23,00

Nossos eBooks estão no formato ePub, o mais aceito nos variados aparelhos nos quais se podem ler livros digitais: eReaders, Smartphones, iPads, iPhones e PCs (este último por meio do Adobe Digital Editions). Os livros podem ser comprados via download nas seguintes livrarias online:

- Amazon (formato Mobi disponível para Kindle)

- Google Play Livros

- Apple Books

- Cultura/Kobo

ISBN: 978-65-5820-479-4


ISBN Digital: 978-65-5820-481-7


Edição:


Ano da edição: 2020


Data de publicação: 14/01/2021


Número de páginas: 273


Encadernação: Brochura


Peso: 300 gramas


Largura: 16 cm


Comprimento: 23 cm


Altura: 2 cm


1. Cauê dal Colleto Alves Tanan da Silva.

Com uma abordagem multidisciplinar, este livro é resultado de uma pesquisa minuciosa sobre o Diretório do século XVIII, órgão colonial instituído por meio de lei em 1757, formalmente desfeito em 1798, mas que deixou como legado muitas marcas de seu tempo. Entre as diretrizes dessa lei, há aquelas que tratam das ebriedades indígenas (artigos 13, 14 e 28) e as que tratam do comércio de cachaça com os nativos (artigos 40, 41 e 42), nesse caso com uma aparente contradição entre proibi-lo e permiti-lo. Utilizando-se do método da História Cultural (em busca de uma História Decolonial), a pesquisa investiga os motivos que levaram à inserção desses artigos a partir de uma análise crítica daquela lei e das comunicações de alguns agentes coloniais. Os diários de viagem da época vão assumindo papel principal no processo de análise na medida em que desponta a necessidade de aprofundar o estudo de situações (ou cenas) ocorridas no Rio Negro que foram marcantes e decisivas para o desenrolar dos acontecimentos e ações políticas naquela época. Atenção especial foi dada à obra Viagem Filosófica (2007), de Alexandre Rodrigues Ferreira, com apoio de dados extraídos de etnografias recentes, mas também são apresentados documentos escritos em nheengatu inéditos para a historiografia do período. Afinal, a que se refere o termo “ebriedades" no texto daquela lei?