Dividindo as Províncias do Império

Ref: 978-65-5820-959-1

Dividindo as províncias do Império apresenta um argumento original: o de que a tomada de decisões no Brasil Império era caracterizada pelo efetivo funcionamento de um sistema político de tipo representativo.


Calcule o frete

Opções de entrega:

Versão impressa
R$ 92,00
ADICIONAR 
AO carrinho

Versão digital
R$ 32,00

Nossos eBooks estão no formato ePub, o mais aceito nos variados aparelhos nos quais se podem ler livros digitais: eReaders, Smartphones, iPads, iPhones e PCs (este último por meio do Adobe Digital Editions). Os livros podem ser comprados via download nas seguintes livrarias online:

- Amazon (formato Mobi disponível para Kindle)

- Google Play Livros

- Apple Books

- Cultura/Kobo

ISBN: 978-65-5820-959-1


ISBN Digital: 978-65-5820-937-9


Edição:


Ano da edição: 2021


Data de publicação: 13/01/2021


Número de páginas: 333


Encadernação: Brochura


Peso: 300 gramas


Largura: 21 cm


Comprimento: 27 cm


Altura: 2 cm


1. Vitor Marcos Gregório.

Dividindo as províncias do Império apresenta um argumento original: o de que a tomada de decisões no Brasil Império era caracterizada pelo efetivo funcionamento de um sistema político de tipo representativo. A partir da análise dos processos decisórios desencadeados pela apresentação de projetos que previam a criação de novas províncias (Paraná, Amazonas, Sapucaí, São Francisco, Oyapockia), o autor defende que, mais do que a vontade do imperador ou dos ministros por ele nomeados, o que definia a questão era a ocorrência de debates e votações entre deputados cujas lealdades encontravam-se divididas. Em um momento no qual a identidade nacional encontrava-se em pleno processo de construção, quais interesses defender? Os da província de origem, cujos cidadãos os elegera para representá-los, ou os de uma nação ainda imprecisa e indefinida? A necessidade de incrementar a economia regional deveria motivar a criação de novas províncias ou deveria servir como argumento para impedi-la? E o sucesso econômico? Era motivo para emancipação de uma comarca (como Curitiba) ou argumento em favor do sucesso paulista a recomendar, portanto, a manutenção de sua integridade territorial? Finalmente, quando o partido que se mostrara capaz de formar unanimidade na Câmara dos Deputados se declarava favorável a um projeto, como deveriam agir seus membros? Seguir a recomendação de seus maiores ou se manter fiel a seus princípios e valores? Eis algumas questões que jogam luz sobre a complexidade inerente à prática política durante o processo de construção de um país que, desde suas origens, mostrou-se comprometido com um regime liberal democrático, ao mesmo tempo em que adotava um sistema monárquico constitucional. A leitura dessas páginas oferece oportunidade valiosa para reflexão sobre o Brasil, colocado frente à necessidade de tomar decisões que impactarão poderosamente seu futuro e definirão a viabilidade de sua própria democracia.