Cidade Sub-versiva Des(afetos) Performáticos do Camuflável

Ref: 978-65-5820-794-8

O livro Cidade Sub-versiva Des(afetos) Performáticos do Camuflável desafia quem ler ou quem simplesmente atra(versa) o olhar sobre as perambulações tecidas pela autora e seu sujeito/pesquisador Felipe de Jesus.


Calcule o frete

Opções de entrega:

Versão impressa
R$ 64,00
ADICIONAR 
AO carrinho

Versão digital
R$ 22,00

Nossos eBooks estão no formato ePub, o mais aceito nos variados aparelhos nos quais se podem ler livros digitais: eReaders, Smartphones, iPads, iPhones e PCs (este último por meio do Adobe Digital Editions). Os livros podem ser comprados via download nas seguintes livrarias online:

- Amazon (formato Mobi disponível para Kindle)

- Google Play Livros

- Apple Books

- Cultura/Kobo

ISBN: 978-65-5820-794-8


ISBN Digital: 978-65-5820-804-4


Edição:


Ano da edição: 2020


Data de publicação: 10/02/2021


Número de páginas: 133


Encadernação: Brochura


Peso: 300 gramas


Largura: 16 cm


Comprimento: 23 cm


Altura: 2 cm


1. Vívian Carla Reis Nery.

O livro Cidade Sub-versiva Des(afetos) Performáticos do Camuflável desafia quem ler ou quem simplesmente atra(versa) o olhar sobre as perambulações tecidas pela autora e seu sujeito/pesquisador Felipe de Jesus. A obra propõe, nas ruas, nos becos, nas calçadas e no solado do sapato gasto, cartografar os corpos-fronteiras da terceira margem, vidraças, enQUADRAdas e não enquadradas. Felipe de Jesus, por meio das imagens, traz o “camuflável”, conceito que emerge à superfície [A1] cenas que des(montam) o espetáculo dissidente. Cidade e escola se convergem anunciando a cartografia, emergindo a superfície performatividades e d(e)nunciando as interseccionalidades.
Ao des(construir) os cercados, a obra vai cartografando os des(enQUADRAmentos) que se emaranham e re(montam) perambulações-travessias. O shopping, o banheiro e os ônibus vão desconcertando as r(e)xistências fluidas-rizomáticas e os atos de performatividades camufláveis que ocupam a cena na cidade espetaculosa do “entre” e o “talvez”, seus corpos sub(versivos) e/ou normativos. Desse modo, vamos re(arranjando) nosso recorte teórico por meio dos debates pós-estruturalistas dos estudos Queer, de gêneros, culturais e os rizomas de Deleuze. Esta obra, com certeza, permite ser intensa a todos(as)(xs). Sentir e tocar são para além do que os olhos veem. Ler com o corpo ou, simplesmente, perfurar a leveza e fluidez de ser o que se é.