Belo Horizonte Bem Querer: Um Olhar Além da Cidade Planejada

Ref: 4440670

Em outros tempos, pensar a respeito das cidades e de suas contradições era como ficar horas a fio analisando fatos históricos, grandes personagens e seus feitos heroicos.


Calcule o frete

Opções de entrega:

Versão impressa
R$ 46,00
ADICIONAR 
AO carrinho

ISBN: 978-85-8192-736-7


Edição: 1


Ano da edição: 2015


Data de publicação: 00/00/0000


Número de páginas: 155


Peso: 200 gramas


Largura: 14.8 cm


Comprimento: 21 cm


Altura: 2 cm


1. Isnar Pereira da Fonseca Filho.

Em outros tempos, pensar a respeito das cidades e de suas contradições era como ficar horas a fio analisando fatos históricos, grandes personagens e seus feitos heroicos. Significava voltar o olhar para o que se convencionou chamar de história oficial ou dos vencedores. Nessa perspectiva, eram imprescindíveis os estudos de historiadores, cronistas, entre outros.
Henriqueta Lisboa, em Belo Horizonte Bem Querer, rompe com esse modo engessado de refletir sobre a cidade, apresentando um poema capaz de trazer à tona não apenas as maravilhas e encantos da capital de Minas, mas também a teia de contradições aí presente. No olhar da poeta, Belo Horizonte, à semelhança de outras cidades, é ser total de carne e osso, que fala a partir da voz de criaturas insatisfeitas e imperfeitas. 
BELO HORIZONTE BEM QUERER: UM OLHAR ALÉM DA CIDADE PLANEJADA apresenta uma leitura possível, engendrada a partir da análise das imagens que compõem a geografia sentimental do referido poema. Em outros termos, o livro demonstra como de espaço desabitado, ou de ponto de alfinete, os versos de Henriqueta apontam para uma cidade, que se transformou em estrela, ou em menina dos olhos dos construtores, passando por cima da história e da memória de seus antigos e nada ilustres habitantes.
Este livro revela não apenas o bem querer de uma poeta à cidade que a acolheu, chamada de aroma predileto ou paina do travesseiro. Ele traz à tona o olhar desconstrutor contido nas entrelinhas do poema, que vai além das aparências, revelando a expressão múltipla do ser citadino, semelhante a uma orquestra sinfônica com ásperas dissonâncias.