A Expressividade da Angústia: Rubião, Kafka e o Expressionismo

Ref: 978-65-250-0555-3

O livro A expressividade da angústia: Rubião, Kafka e o Expressionismo analisa de forma comparativa a obra de Murilo Rubião e a de Franz Kafka: os romances O processo e O castelo e as novelas Na colônia penal e A metamorfose. Para quem se propõe a investigar a suposta influência do autor tcheco na obra do contista brasileiro, a pesquisa, enriquecida de contribuições do campo da crítica literária, da filosofia e da psicanálise, traz respostas interessantes sobre o tema em função do percurso atento pela ficção dos autores, pontuando a especificidade da poética de cada um.


Calcule o frete

Opções de entrega:

Versão impressa
R$ 66,00 R$ 52,80 20% off
ADICIONAR 
AO carrinho

Versão digital
R$ 66,00 R$ 29,00 57% off

Nossos eBooks estão no formato ePub, o mais aceito nos variados aparelhos nos quais se podem ler livros digitais: eReaders, Smartphones, iPads, iPhones e PCs (este último por meio do Adobe Digital Editions). Os livros podem ser comprados via download nas seguintes livrarias online:

- Amazon (formato Mobi disponível para Kindle)

- Google Play Livros

- Apple Books

- Cultura/Kobo

ISBN: 978-65-250-0555-3


ISBN Digital: 978-65-250-0593-5


Edição:


Ano da edição: 2021


Data de publicação: 04/05/2021


Número de páginas: 293


Encadernação: Brochura


Peso: 300 gramas


Largura: 16 cm


Comprimento: 23 cm


Altura: 2 cm


1. Wílson Barreto Fróis.

O livro A expressividade da angústia: Rubião, Kafka e o Expressionismo analisa de forma comparativa a obra de Murilo Rubião e a de Franz Kafka: os romances O processo e O castelo e as novelas Na colônia penal e A metamorfose. Para quem se propõe a investigar a suposta influência do autor tcheco na obra do contista brasileiro, a pesquisa, enriquecida de contribuições do campo da crítica literária, da filosofia e da psicanálise, traz respostas interessantes sobre o tema em função do percurso atento pela ficção dos autores, pontuando a especificidade da poética de cada um. Na interface entre eles, discute-se a semelhança entre determinadas imagens presentes nos seus textos e na pintura do Expressionismo. Reflete-se, ainda, a interlocução com a Bíblia, a dinâmica temporal e narrativa, a poética da angústia e do desespero no contexto da modernidade, traduzida em imagens e cores, além do olhar crítico à justiça. No final, a partir de críticos como Wolfgang Iser e Umberto Eco, desenvolve a ideia do coautor propositivo, aplicada a Kafka e a Rubião, e ainda salienta a capacidade de reatualização permanente da temática explorada pelos ficcionistas.