Dimensionamento e Integração do Sistema de Cotas Raciais em Face do Direito à Educação no Brasil

Ref: 978-65-250-0582-9

Na obra Dimensionamento e integração do sistema de cotas raciais em face do direito à educação no Brasil, busca-se investigar e expor o intrincado ambiente social e político que encobre a relação entre a instituição do sistema de cotas raciais e o direito à educação, partindo de uma abordagem objetiva e didática.


Calcule o frete

Opções de entrega:

Versão impressa
R$ 74,00
ADICIONAR 
AO carrinho

ISBN: 978-65-250-0582-9


Edição:


Ano da edição: 2021


Data de publicação: 19/05/2021


Número de páginas: 341


Encadernação: Brochura


Peso: 300 gramas


Largura: 16 cm


Comprimento: 23 cm


Altura: 2 cm


1. José Wilson Ferreira Lima.

Na obra Dimensionamento e integração do sistema de cotas raciais em face do direito à educação no Brasil, busca-se investigar e expor o intrincado ambiente social e político que encobre a relação entre a instituição do sistema de cotas raciais e o direito à educação, partindo de uma abordagem objetiva e didática. O livro reúne os principais discursos políticos, sociais e acadêmicos em torno desses dois eixos de políticas públicas, de modo a tornar acessível ao leitor as razões que levaram os diversos segmentos sociais, as agremiações políticas e as acadêmicas a se posicionarem favorável ou contrariamente à instituição da política de cotas raciais. A abordagem é toda centralizada e circunstanciada pela vinculação dessa questão à qualidade da educação pública, que deveria ser prestada a toda a população, indiscriminadamente, com a finalidade de promover o pleno desenvolvimento da pessoa, prepará-la para o exercício da cidadania e qualificá-la para a atividade produtiva no mercado de trabalho. O livro é sensível às dificuldades e complexidades de se abordar as políticas de cotas em razão de paixões que o tema movimenta e dos vetores culturais que marcam a moldura das políticas públicas em torno de temas controvertidos. Ao desenvolver a obra, seguiu-se um necessário e constante compromisso de caráter emancipatório, uma vez que, para se questionar, argumentar e discutir a questão racial, impõe-se a compreensão de que há um inegável problema público que situa as potencialidades humanas com base na vertente racial. A chamada é óbvia, mas necessária: é preciso propor alternativas para a mudança desse quadro. É preciso tornar a questão ainda mais visível e colocar em questionamento todas as estruturas e modelagens que a envolvem.