As Malhas do Poder: A Reconfiguração da Noção de Poder na Filosofia de Michel Foucault

Ref: 978-65-250-0903-2

Por ser um pensador inquieto e experimental, que se deu o direito de não estar convencido, a riqueza da Filosofia de Michel Foucault reside nas várias camadas que um mesmo tema adquire ao longo de seus estudos.


Calcule o frete

Opções de entrega:

Versão impressa
R$ 52,00
ADICIONAR 
AO carrinho

Versão digital
R$ 18,00

Nossos eBooks estão no formato ePub, o mais aceito nos variados aparelhos nos quais se podem ler livros digitais: eReaders, Smartphones, iPads, iPhones e PCs (este último por meio do Adobe Digital Editions). Os livros podem ser comprados via download nas seguintes livrarias online:

- Amazon (formato Mobi disponível para Kindle)

- Google Play Livros

- Apple Books

- Cultura/Kobo

ISBN: 978-65-250-0903-2


ISBN Digital: 978-65-250-0904-9


Edição:


Ano da edição: 2021


Data de publicação: 27/05/2021


Número de páginas: 189


Encadernação: Brochura


Peso: 300 gramas


Largura: 16 cm


Comprimento: 23 cm


Altura: 2 cm


1. Igor Corrêa de Barros.

Por ser um pensador inquieto e experimental, que se deu o direito de não estar convencido, a riqueza da Filosofia de Michel Foucault reside nas várias camadas que um mesmo tema adquire ao longo de seus estudos. Em seus últimos escritos, na passagem da análise do poder político e dos mecanismos de dominação (governo dos outros) para a análise do domínio ético-político das relações do indivíduo consigo mesmo (governo de si), o autor realiza um refinamento de sua noção de poder visando interpretar a articulação não só possível, mas necessária entre o governo dos outros e o governo de si. As malhas do poder: a reconfiguração da noção de poder na Filosofia de Michel Foucault busca compreender os desdobramentos da noção de poder na Filosofia foucaultiana e quais as implicações dessa movimentação teórica. Mais do que analisar um conjunto de conceitos que são elaborados e reelaborados dentro de uma determinada Filosofia, estudar Foucault e se apropriar de suas análises é realizar uma “crítica do presente” e, assim como o autor, dar-se o direito de não estar convencido e de se questionar sempre.