Inédito-Viável no Consultório na Rua: A (Com)Vivência como Práxis em e para Direitos Humanos

Ref: 978-65-250-0543-0

Fruto de um sonho que se sonha junto. Junto à população em situação de rua e à equipe que faz desse sonho luta diária para lhes retirar da condição de a(bando)nados por meio da oferta de cuidado. Sonho de romper com a exclusão e com a inclusão marginal, com a distribuição desigual da precariedade, com as violências e violações; de ajudar a transformar as vidas que vivenciam a exceção como regra em sujeitos de direitos; de criar, promover e participar de práticas capazes de suscitar condições para a utopia da emancipação. Este livro é o testemunho não só dos resultados de uma pesquisa, mas de sua trajetória e construção pela articulação entre academia e política; entre sonho, reflexão e ação; e entre a denúncia daquilo que desumaniza e o anúncio de inédito-viáveis que permitem a construção de utopias éticas.


Calcule o frete

Opções de entrega:

Versão impressa
R$ 55,00
ADICIONAR 
AO carrinho

ISBN: 978-65-250-0543-0


Edição:


Ano da edição: 2021


Data de publicação: 08/06/2021


Número de páginas: 183


Encadernação: Brochura


Peso: 300 gramas


Largura: 16 cm


Comprimento: 23 cm


Altura: 300 cm


1. Rafaella Pinheiro Cesario.

Fruto de um sonho que se sonha junto. Junto à população em situação de rua e à equipe que faz desse sonho luta diária para lhes retirar da condição de a(bando)nados por meio da oferta de cuidado. Sonho de romper com a exclusão e com a inclusão marginal, com a distribuição desigual da precariedade, com as violências e violações; de ajudar a transformar as vidas que vivenciam a exceção como regra em sujeitos de direitos; de criar, promover e participar de práticas capazes de suscitar condições para a utopia da emancipação. Este livro é o testemunho não só dos resultados de uma pesquisa, mas de sua trajetória e construção pela articulação entre academia e política; entre sonho, reflexão e ação; e entre a denúncia daquilo que desumaniza e o anúncio de inédito-viáveis que permitem a construção de utopias éticas.
Sujeito da obra, a população em situação de rua figura como representante do homo sacer, das vidas indignas de luto e, por isso, sujeitas à morte por tanato e necropolíticas que expressam uma organização sociopolítica de exceção. A exceção, paradoxalmente, dá-se no interior de um “Estado de Direitos”. Deixados à própria sorte, ou seria à morte?, este livro reflete sobre o Consultório na Rua como dispositivo de saúde que possui dimensão documentada, explicitada nas normas, decretos e portarias que o orientam, e que visam garantir direitos por meio da oferta do cuidado em saúde, mas com a qual coexiste a história não documentada, em que este dispositivo concretiza-se e ganha vida. Como dispositivo, comporta em seu bojo tanto dimensões instituídas como instituintes; forças mantenedoras da exclusão e violação e forças emancipatórias – e é precisamente sobre essa rede complexa de forças e fluxos que este livro busca lançar alguma luz. Luz que permite vislumbrar que, em face da exclusão, da exceção e de políticas de morte, a (com)vivência com o outro desponta como práxis emancipatória.