Trabalho e Autogestão na Perspectiva da Comunicação

Ref: 978-65-250-0773-1

Neste livro, o autor investiga as relações de comunicação em fábricas recuperadas por trabalhadores, buscando identificar os entrelaçamentos constitutivos das atividades de comunicação e trabalho. A partir da perspectiva do materialismo histórico, o autor analisa as mudanças implementadas pela racionalização do trabalho durante todo o século XX, para responder de que maneira as mudanças na gestão e nas atividades de trabalho se refletem nessas relações de comunicação.


Calcule o frete

Opções de entrega:

Versão impressa
R$ 62,00
ADICIONAR 
AO carrinho

ISBN: 978-65-250-0773-1


Edição:


Ano da edição: 2021


Data de publicação: 18/06/2021


Número de páginas: 265


Encadernação: Brochura


Peso: 300 gramas


Largura: 16 cm


Comprimento: 23 cm


Altura: 2 cm


1. Júlio Arantes Azevedo.

Neste livro, o autor investiga as relações de comunicação em fábricas recuperadas por trabalhadores, buscando identificar os entrelaçamentos constitutivos das atividades de comunicação e trabalho. A partir da perspectiva do materialismo histórico, o autor analisa as mudanças implementadas pela racionalização do trabalho durante todo o século XX, para responder de que maneira as mudanças na gestão e nas atividades de trabalho se refletem nessas relações de comunicação. O livro explica como se dão as relações de comunicação em uma situação onde as relações de produção já não ocorrem sob o modelo hierarquizado tradicional de empresas capitalistas, bem como de que forma a comunicação funciona no modelo autogestionado. O autor apresenta uma diferenciação entre fluxos de informação e relações de comunicação, conceito que o autor defende como mais adequado para compreender os processos comunicacionais. A investigação é conduzida a partir de uma triangulação metodológica, mapeando as atividades de trabalho no chão de fábrica a partir de métodos de observação e entrevistas com trabalhadores. Os dados são analisados na perspectiva do binômio comunicação e trabalho, partindo das condições de produção do trabalho nas fábricas e busca identificar, no discurso dos trabalhadores, as tensões e contradições do empreendimento autogestionário no atual estágio do capitalismo.