Perturbações Silenciosas: A Dissociação como Trauma Relacional

Ref: 978-65-5820-599-9

Perturbações Silenciosas: uma dissociação como trauma relacional apresenta um modelo etiológico para uma dissociação patológica a partir do referencial conceitual da teoria do apego. Sob essa perspectiva, processos de desorganização do apego e da intersubjetividade são considerados como um “trauma oculto”.


Calcule o frete

Opções de entrega:

Versão impressa
R$ 55,00
ADICIONAR 
AO carrinho

Versão digital
R$ 19,00

Nossos eBooks estão no formato ePub, o mais aceito nos variados aparelhos nos quais se podem ler livros digitais: eReaders, Smartphones, iPads, iPhones e PCs (este último por meio do Adobe Digital Editions). Os livros podem ser comprados via download nas seguintes livrarias online:

- Amazon (formato Mobi disponível para Kindle)

- Google Play Livros

- Apple Books

- Cultura/Kobo

ISBN: 978-65-5820-599-9


ISBN Digital: 978-65-5820-596-8


Edição:


Ano da edição: 2021


Data de publicação: 29/06/2021


Número de páginas: 153


Encadernação: Brochura


Peso: 300 gramas


Largura: 16 cm


Comprimento: 23 cm


Altura: 2 cm


1. Renata Sigaud.

2. Flávia Sollero de Campos.

Perturbações Silenciosas: a dissociação como trauma relacional apresenta um modelo etiológico para a dissociação patológica a partir do referencial conceitual da teoria do apego. Sob essa perspectiva, processos de desorganização do apego e da intersubjetividade são considerados como um “trauma oculto”. A teoria do apego vem sendo ampliada a partir de novas ideias e pesquisas sobre intersubjetividade. Nessa ampliação, a teoria passa a enfatizar o papel central de processos intersubjetivos de comunicação afetiva na organização, não apenas do sistema de apego, mas também do self. Estudos longitudinais prospectivos recentes mostram uma relação significativa entre apego desorganizado no bebê e dissociação patológica na vida adulta. Os resultados dessas pesquisas, analisados à luz da teoria do apego, sustentam uma proposta de redefinição do trauma nos primeiros anos de vida. As pesquisas atuais sugerem que o estresse gerado por mecanismos sutis de comunicação afetiva disruptiva na díade bebê-cuidador pode gerar processos de desorganização do sistema de apego e do self. Tais processos podem dar início a uma trajetória de desenvolvimento em direção à dissociação patológica.