Carnaval Buñuelesco: Uma Aurora ao Entardecer

Ref: 978-85-473-0547-5

Para  o  cineasta  espanhol Luis Buñuel – um surrealista formado por contradições, com seu menosprezo à sociedade burguesa e à religião cristã –, estranhezas sempre deveriam fazer parte de seus filmes. Neste livro encontra-se o argumento de que desde a realização do seu primeiro curta-metragem, Um Cão Andaluz, roteirizado em parceria com Salvador Dalí, houve uma coerência de pensamento que estabeleceu para ambos um caminho a seguir.


Calcule o frete

Opções de entrega:

Versão impressa
R$ 62,00 R$ 37,20 40% off
ADICIONAR 
AO carrinho

ISBN: 978-85-473-0547-5


Edição: 1


Ano da edição: 2017


Data de publicação: 00/00/0000


Número de páginas: 201


Peso: 200 gramas


Largura: 14.8 cm


Comprimento: 21 cm


Altura: 2 cm


1. Ricardo Zani.

Para  o  cineasta  espanhol Luis Buñuel – um surrealista formado por contradições, com seu menosprezo à sociedade burguesa e à religião cristã –, estranhezas sempre deveriam fazer parte de seus filmes. Neste livro encontra-se o argumento de que desde a realização do seu primeiro curta-metragem, Um Cão Andaluz, roteirizado em parceria com Salvador Dalí, houve uma coerência de pensamento que estabeleceu para ambos um caminho a seguir. No prólogo do filme, a metáfora de uma jovem moça tendo seu olho rasgado por uma navalha tornou-se cinematograficamente uma verdade estarrecedora e a essência de uma narrativa que transformou e codificou os preceitos surrealistas em dois únicos e universais temas – o amor e a liberdade. Vê-se também que a galeria de estilos que se instalou na cinematografia de Buñuel serviu para reafirmar constantemente os traços marcantes de sua obra, dentre eles a polifonia. E é nessa polifonia buñueliana que se distingue o encontro dos filmes Um Cão Andaluz, Viridiana e Bela da Tarde com a pintura Angelus, do realista francês Jean-François Millet, para caracterizá-lo como um elemento constitutivo das reminiscências de Luis Buñuel e de Salvador Dalí. Resulta desse encontro polifônico uma mensagem em comum nas obras aqui apresentadas com o objetivo de expor que todos esses elementos apontam para uma relação com determinadas características medievais pesquisadas pelo russo Mikhail Bakhtin: a morte e os excrementos inseridos na renovação dos desejos sexuais do homem.