Rejeitos: Vidas Marcadas pela Lama

Ref: 978-65-250-0420-4

Em 5 de novembro de 2015, tinha início a maior tragédia ambiental da história brasileira. O rompimento da barragem de Fundão, da Samarco, na cidade mineira de Mariana, liberou toneladas de rejeitos de mineração de ferro no meio ambiente. O material tóxico matou 19 pessoas, avançou pelo Rio Doce, afetando o modo de vida de comunidades ribeirinhas e povos indígenas e desaguou no Oceano Atlântico, deixando duradouros danos à natureza e aos 700 mil brasileiros afetados.


Calcule o frete

Opções de entrega:

Versão impressa
R$ 99,00
ADICIONAR 
AO carrinho

Versão digital
R$ 35,00

Nossos eBooks estão no formato ePub, o mais aceito nos variados aparelhos nos quais se podem ler livros digitais: eReaders, Smartphones, iPads, iPhones e PCs (este último por meio do Adobe Digital Editions). Os livros podem ser comprados via download nas seguintes livrarias online:

- Amazon (formato Mobi disponível para Kindle)

- Google Play Livros

- Apple Books

- Cultura/Kobo

ISBN: 978-65-250-0420-4


ISBN Digital: 978-65-250-0421-1


Edição:


Ano da edição: 2021


Data de publicação: 11/07/2021


Número de páginas: 207


Encadernação: Brochura


Peso: 300 gramas


Largura: 16 cm


Comprimento: 23 cm


Altura: 2 cm


1. Luana Melody Brasil.

2. Victor Pires Ferreira Corrêa.

Em 5 de novembro de 2015, tinha início a maior tragédia ambiental da história brasileira. O rompimento da barragem de Fundão, da Samarco, na cidade mineira de Mariana, liberou toneladas de rejeitos de mineração de ferro no meio ambiente. O material tóxico matou 19 pessoas, avançou pelo Rio Doce, afetando o modo de vida de comunidades ribeirinhas e povos indígenas e desaguou no Oceano Atlântico, deixando duradouros danos à natureza e aos 700 mil brasileiros afetados.
Este livro não abre mão dos dados, motivos e explicações para o crime ambiental, mas conta sua história principalmente pelo ponto de vista daqueles que sofreram e sofrem na pele suas consequências. São relatos contundentes de dores físicas e psicológicas, de problemas financeiros, sumiço de peixes, geladeiras vazias, racismo ambiental e medo do futuro, mas também de como o ressentimento pode se transformar em esperança a partir da luta.
Longe de se deixarem abater, as comunidades afetadas também souberam fortalecer seus laços em torno de temas como a luta por direitos frente ao Estado e às grandes empresas. Laços que são fundamentais para seguir cobrando a responsabilização dos culpados pela tragédia e para garantir que ela não seja esquecida nem se repita.